Os desafios da agenda legislativa do Executivo federal para 2020

Vítor Sandes

06 de fevereiro de 2020 | 18h17

Escrito em parceria com Raul Bonfim, doutorando em Ciência Política – UNICAMP.

Na abertura do ano legislativo, no dia 03 de fevereiro, segunda-feira, o Congresso Nacional recebeu a mensagem do Poder Executivo. Em um documento com quase 150 páginas, o Executivo apresentou diversas propostas para o ano, incluindo um conjunto proposições que dependem de apoio e aprovação do Legislativo. Entre as prioridades apresentadas, algumas foram destacadas no material: reforma tributária, privatizações e concessões, independência do Banco Central e as alterações na questão fiscal, como a busca pela aprovação das chamadas PEC Emergencial, a do Pacto Federativo e a dos Fundos Públicos.

Entre as prioridades apresentadas, duas têm dominado o debate público recente: as reformas tributária e administrativa. Entretanto, ambos os temas têm-se mostrado caros aos congressistas e ao próprio Executivo. A reforma tributária, e a eventual fixação de um imposto único, tem o potencial de gerar perda de arrecadação entre os Estados e municípios, podendo causar insatisfação entre as lideranças locais. Apesar disso, já existem duas propostas em tramitação: uma na Câmara e outra no Senado.

Um ponto ausente na mensagem do governo foi a reforma administrativa. Ela é mencionada diretamente apenas quando trata da Comunicação Social do governo: “Temas como agenda econômica, reforma tributária e administrativa, privatizações e concessões, política internacional, agronegócio, entre outros, exigirão uma comunicação mais efetiva, estruturada e que informe de forma clara e objetiva a mudança de rumo do País e a defesa dos interesses da nação” (p. 144).

Certamente, a ausência do tema de forma clara não foi um lapso da equipe responsável por elaborar o documento. Considerando o custo de negociação e a impopularidade da reforma que visa, principalmente, alterar as formas de contratação de servidores públicos, é possível que o governo não quisesse dar destaque a esta reforma em particular e, em vez disso, busque fatiá-la em diversas medidas ao longo do ano legislativo.

É desejo do governo incluir os atuais servidores na proposta, esperando que o Legislativo lidere esta alteração, mas Rodrigo Maia já sinalizou que isto é de responsabilidade do governo: “Outro dia vi o ministro da Economia [Paulo Guedes] dizendo que, se a Câmara quiser, pode ampliar. O governo não pode transmitir para gente uma responsabilidade que é dele. Se o governo entende que tem que tratar dos atuais servidores, que encaminhe a proposta dos atuais servidores”.

As reformas previdenciária, tributária e administrativa estavam entre as principais prioridades do governo Bolsonaro desde o início, em janeiro de 2019. A reforma da previdência foi aprovada, após muito debate e alterações feitas pelo Legislativo. E somente foi possível após o envolvimento direto da presidência das duas Casas, principalmente de Rodrigo Maia. Seguramente, a aprovação de propostas de maior envergadura dependerá da liderança do presidente da Câmara, principalmente pelo fato de o governo ter optado por não montar uma coalizão de governo, seguindo os ditames do presidencialismo de coalizão.

Na ausência de uma coalizão de apoio, o Executivo tem utilizado seus poderes legislativos para aprovar sua agenda e, paralelamente, evitar a negociação com o Legislativo. Entretanto, essa estratégia não se mostrou tão efetiva. Fernando Limongi destaca que das 18 medidas provisórias editadas pelo governo até 29 de outubro de 2019, apenas 8 transformaram-se em lei. Ainda que o Executivo tenha amplos poderes legislativos, ele, sozinho, não consegue aprovar sua agenda política sem o apoio dos partidos com representação no Congresso Nacional. Parte das propostas do governo depende de alterações no texto constitucional, e isso só é possível com apoio do Legislativo. Caso o Legislativo seja deixado de lado, o governo corre sérios riscos de ver suas medidas caducarem.

Como ficou evidente ao longo do primeiro ano, a aprovação das reformas tributária e administrativa dependerão, sobretudo, da atuação das presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Por não utilizar os recursos para obter apoio das lideranças partidárias, o governo terá que ceder, negociar ponto por ponto e, certamente, assistirá às suas propostas sofrerem diversas alterações ou mesmo não serem aprovadas em 2020.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.