O que está sendo da janela?

Humberto Dantas

03 de abril de 2020 | 11h50

Texto de autoria dos alunos da disciplina de ANÁLISE POLÍTICA da pós-graduação em Ciência Política Contemporânea da Câmara Municipal de Itapevi e da FESP-SP.

Em meio à pandemia existe uma janela aberta pela qual escapam nossos representantes locais sem que a sociedade tenha, naturalmente, tempo para verificar certas movimentações. A lei permite que vereadores troquem de legenda sem qualquer prejuízo de seus mandatos entre 210 e 180 dias antes das eleições. O prazo final termina dia 04 de abril, mas aqui temos a primeira grande pergunta eleitoral de 2020: teremos mesmo eleições dia 04 de outubro? Há quem aposte que não, mas a justiça tem buscado impedir a extensão do prazo dessa troca de partidos, ou mesmo de filiação. Esse é um dos mistérios a serem esclarecidos mais adiante.

A despeito de tais pontos, nosso objetivo aqui, em grupo, foi visitar os sites das câmaras municipais das 26 capitais brasileiras em busca de prováveis movimentações. O exercício foi simples e envolveu um grupo de mais de 30 alunos: em cada parlamento tomar os nomes de quem está em exercício de mandato, seu partido atual, e comparar à informação com os registros eleitorais de 2016.

Aqui temos um problema grande e uma nova questão. Em meio à pandemia, as Câmaras estão atualizando de forma absoluta seus portais? Quem está concentrando essas informações? Os vereadores estão preocupados em tornar essas movimentações conhecidas? Temos um caso em Boa Vista que chegamos a telefonar para uma representante que simplesmente se recusou a dizer que havia mudado de partido. E aqui está nosso grande problema: legendas ainda são utilizadas como meras hospedeiras de políticos.

Ainda que tenhamos encontrado dificuldades e informações muito mal prestadas nos ambientes virtuais dos parlamentos, encontramos 111 políticos que se movimentaram ao longo do mandato. Diante dos cerca de 840 cadastrados, isso representaria menos de 15%, mas lembremos das desatualizações dos portais, do desinteresse em passara informação que graça em alguns locais, do coronavírus e do fato de que o “jogo só termina quando acaba”, ou seja, essa pesquisa foi feita nos últimos dias, mas a janela só se fecha no sábado. Perdemos tempo?

Não exatamente. Tiramos uma foto de um instante e colhemos problemas que não são novidades. E nesse volume de gente destacamos que 12 vereadores não têm o partido informado no portal do seu parlamento e 22 deles estão “sem partido”. A legenda que mais perdeu, até aqui, foi o PSD com oito representantes a menos. Em São Paulo, por exemplo, a debandada não foi pequena nesse grupo. E quem mais ganhou, até agora, foi o PSDB, com cinco novos filiados. O que tem sido oferecido para esse movimento tucano é uma incógnita, mas em São Paulo o crescimento foi razoável. O PSL, que a partir de 2018 se tornou rico e poderia surfar na onda do 17, praticamente não saiu do lugar. Entre perdas e ganhos pulou de 15 para 17 vereadores nas capitais, mesmo ganho numérico que o PT, que foi de 38 para 40 vereadores.

Explica uma parte dos fenômenos onde os políticos mais mudaram de partido algumas movimentações dos respectivos prefeitos. Em Belo Horizonte o alcaide ingressou no PSD, e provavelmente leve consigo vereadores de sua base para a legenda. A Câmara local informa que oito parlamentares estavam sem partido.  O que os mineiros tanto esperam para tomarem uma decisão? Em Natal a alteração é semelhante: o prefeito eleito em 2016 deixou o cargo para perder o governo do estado e em seu lugar ficou um vice de outra legenda, o que também tende a alterar o jogo de forças dos grupos locais. Em Recife houve inchaço do poderoso PSB, em Fortaleza a família forte no Ceará também viu seu grupo ganhar corpo e em São Paulo o PSDB do prefeito avançou. Manaus, por fim, prima pela aparente desinformação, o que eleva à incerteza.

Diante desses resultados, o intuito desse texto era mirar num fenômeno, mas acertou em outros tantos. Primeiro nas dificuldades informacionais, mas também em velhas tendências do universo político. Dia 04 de abril, quando a janela se fechar, não esqueça de ver para onde seu representante foi, bem como acompanhe se, efetivamente, teremos eleições em outubro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: