Aplicativos: uma bússola democrática

Humberto Dantas

30 de julho de 2018 | 13h51

Em parceria com Luís Kimaid – cientista político e pós-graduando do CLP


Dia desses, um amigo com ar de pouco caso exclamou numa conversa comigo sobre renovação na política: “tem muito jovem talentoso querendo transformar política em aplicativo. Isso é bobagem e desperdício de tempo”. Discordamos! Aplicativos fazem parte de uma nova forma de comunicar, interagir, prestar serviços e viver no século XXI. Claro que tem muita coisa sem futuro, tantas outras a serem aperfeiçoadas e diversas que ajudarão demais. Obviamente, também não teremos um único aplicativo capaz de atender a toda a sociedade em uma determinada questão. É fato que diferentes pessoas têm intimidades distintas com as tecnologias propostas, mas vai dizer que transporte, alimentação, turismo, educação, entretenimento e tantas outras temáticas essenciais às nossas vidas não passaram por transformações agudas desde o início dessa onda de aplicativos? Claro que sim.

Assim, estamos vivenciando a era do acesso à informação. E nesse instante digital, nesse momento virtual, é possível comunicar-se através de grandes distâncias em questão de segundos, relativizando limitações geográficas e de tempo. Podemos explorar novas fronteiras e a revolução tecnológica empodera e expande o campo de ação dos indivíduos.

Se tantas descobertas e utilidades foram trazidas para o nosso cotidiano por aplicativos, inclusive em espaços que pareciam funcionar bem, o que dizer de ferramentas capazes de nos aproximar da política? Tomemos como exemplo o caso do Legislativo: estamos distantes do Congresso Nacional, temos vaga lembrança de nossas escolhas, compreendemos pouco o sistema, acompanhamos mal os trabalhos e subestimamos o peso do parlamento em nossa realidade democrática. Seria o caso de tentarmos algo nesse sentido? Por que não? Assim: que tal um aplicativo para aprimorar escolhas políticas para o espaço com o qual temos menos intimidade? Sim: um aplicativo para nos conectar melhor às nossas escolhas parlamentares.

Isso certamente não substitui a ação humana na seleção do caminho que deseja percorrer, mas diante do que estamos vivenciando é possível afirmar que as eleições de 2018 serão as mais interativas entre candidatos e eleitores graças à forte expansão da inclusão digital, simbolizada principalmente, pela era dos aplicativos – ao menos é isso que muitos desejam. O amplo acesso à internet e a mudança do papel do cidadão para uma voz mais ativa na rede e na sociedade trazem constantes provocações e oportunidades para as instituições democráticas pensarem novas formas de participação da sociedade civil na tomada de decisão. É dentro desse contexto que surge, dentre VÁRIOS exemplos interessantes, a Bússola Eleitoral.

De forma simples e didática, a Bússola Eleitoral oferece ao cidadão um rico espaço de descobertas e exploração das candidaturas para deputado federal e estadual que se alinham aos seus valores e prioridades. O eleitor será sempre o centro do mapa, como referencial visual e político da plataforma, além de ter total controle sobre os parâmetros de navegação. Ele também poderá escolher os temas que mais lhe interessam e buscar quais candidaturas se aproximam ou afastam-se de suas ideias, estando livre para navegar e conhecer tanto as candidaturas cujas opiniões são próximas às dele, como aquelas com as quais discorda.

Por exemplo: digamos que o cidadão esteja preocupado com o tema corrupção e deseja escolher uma candidatura para a Câmara dos Deputados. Mas também tem interesse na questão do emprego e do trabalho. Na Bússola Eleitoral, ele pode selecionar tais temas e priorizar a visualização de candidaturas com valores próximos, ou que se afastam em relação aos seus, priorizando os assuntos de interesse. Já imaginou fazer isso sem a tecnologia? Em 2014, por exemplo, apenas no estado de São Paulo foram quase 1.500 candidatos a deputado federal e mais de 2.000 para a Assembleia Legislativa. 

Todos os dados sobre seus valores serão fornecidos pelas próprias candidaturas que desejarem participar da iniciativa, e pelos cidadãos, sempre garantindo a absoluta privacidade dos dados dos eleitores. Toda a sociedade civil é bem-vinda a utilizar a ferramenta, que será lançada no começo do período de campanha eleitoral. Além disso, partidos e movimentos cívicos estão sendo convidados a participarem como parceiros e também a incentivarem seus candidatos e candidatas a entrarem na iniciativa. O projeto terá total transparência sobre a metodologia usada, sobre a política de proteção de dados e sobre as respostas das candidaturas.

A plataforma é totalmente controlada pelo eleitor, e não direciona a escolha e o voto em nenhum momento. O poder de transformação da ferramenta está na escolha que o eleitor tem em suas mãos, reconhecendo a consciência das pessoas na sua escolha, quando oferecido um espaço que organiza as informações e as torna acessíveis. Faz sentido para você? Se SIM, será ótimo guardar esse nome e utilizar o aplicativo, em caso negativo nada de pensar que aplicativos não fazem sentido na realidade política da sociedade do século XXI. Faz sentido pra muita gente, não fará para tantas outras…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: