A lista de Fachin e o Senado da República

Humberto Dantas

12 de abril de 2017 | 09h23

No Senado temos a expressiva marca de 18 partidos representados. NOVE deles, sem contar os seus membros afastados para o exercício de cargos no Poder Executivo, têm nomes na lista de Fachin. A Mesa Diretora, com seu presidente e vice, está envolvida. Obviamente todos negam quaisquer irregularidades e o intuito desse texto é apenas fazer uma análise exploratória dos dados.
Percentualmente, em relação às suas bancadas, PTC e PC do B impressionam porque têm apenas um senador – ambos envolvidos na lista. Os maiores partidos têm marcas próximas – PSDB, PT e PMDB.
PC DO B 100,00% “de aproveitamento”
PTC 100,00%
PSDB 63,64% (MAIS UM QUE É MINISTRO DE TEMER)
PT 50,00%
DEM 50,00%
PMDB 40,91%
PSB 28,57%
PSD 20,00%
PP 14,29% (MAIS UM QUE É DE TEMER MINISTRO)
Outra coisa que chama a atenção é o total de senadores que têm o mandato vencendo em 2019. Ao todo são 23 dos 29 citados. Ano que vem cada estado elege DOIS senadores (54 no total), seria esse um indício de possível renovação? Depende de nós. Se somarmos os ministros Blairo Maggi e Aloysio Nunes, chegamos a 25 dos 31 que terão de disputar eleição em 2018. Terão empuxo para uma eleição majoritária dessa monta?
Por fim, o Amazonas pode pedir música no Fantástico. Emplacou 100% de seus três senadores na lista. Aposto que o hit seria “Você não vale nada, mas eu gosto de você”, o que serve de recado para os eleitores. São Paulo está nessa lista, se considerarmos o ministro licenciado Nunes Ferreira. Com dois senadores na lista temos: AL, MG, PA, PE, RN, RO e SE. Ao todo, são 19 estados citados, com mais um, se considerarmos o licenciado ministro Blairo Maggi (PP-MT), superando dois terços das unidades federativas do país. Os sete que se livram dessa ETAPA são: MA, AP, DF, RS, PR, GO e MS.
Resultado: com base no SENADO, sobra pouca coisa. Sobra a vontade de considerar que o brasileiro assuma que tem parcela de responsabilidade nesse jogo. É pela política que vamos resolver isso. Quem acredita?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.