Votação no TSE
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Votação no TSE

Julia Duailibi

11 Junho 2012 | 17h04

A votação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do pedido do PSD para obter maior participação no Fundo Partidário entrou na pauta da Corte para ser julgada amanhã. Segundo avaliações de políticos e conhecedores dos bastidores do tribunal, a tendência é que haja vitória para o partido do prefeito Gilberto Kassab.

As apostas são de uma votação apertada, 4 a 3. Depois de analisado o pedido do Fundo Partidário, o PSD pretende entrar com outra ação, considerada “gêmea”, que é a da revisão da distribuição do tempo de TV na propaganda eleitoral, tema que tem impacto na eleição municipal deste ano.

Se o PSD ganhar também esse pedido, angaria mais minutos no horário eleitoral e terá maior poder para emplacar o vice na chapa de José Serra (PSDB) a prefeito de São Paulo. Por isso, o PSD quer uma decisão rápida sobre o tema. Os advogados do partido vão pedir que a decisão sobre o Fundo Partidário se estenda também para o tempo de TV, acelerando assim o processo na Justiça.

Mas não será fácil. Os adversários do partido de Kassab, como DEM e PMDB, pretendem pedir para serem ouvidos no novo pleito do PSD, o que pode atrasar os planos da legenda do prefeito. Também pretendem questionar o princípio da anualidade, segundo o qual qualquer mudança na regra da eleição tem que ocorrer um ano antes do pleito.

Por enquanto, o PSD já tem dois votos a favor da ação sobre a redistribuição do Fundo Partidário (Marco Aurélio e Marcelo Ribeiro), e apenas um contra (Arnaldo Versiani). Faltam votar José Antonio Dias Toffoli, Carmen Lúcia, Gilson Dipp e Nancy Andrighi.

Carmen Lúcia tenderia a votar contra o pedido. Nancy Andrighi e Gilson Dipp, próximo a Nelson Jobim, aliado de Serra, seriam favoráveis ao PSD. A incógnita ficaria com Toffoli, ex-advogado do PT. Para os petistas, a redistribuição do tempo de TV em favor de Kassab é ruim na eleição municipal em São Paulo. Mas pode ser positiva no longo prazo, já que o PSD tende a caminhar como aliado do PT na eleição de 2014.