As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ponto de vista

Julia Duailibi

08 Abril 2013 | 16h43

Chamaram a atenção dos tucanos as colocações do ex-governador Alberto Goldman, em seu blog, sobre a entrevista do senador mineiro Aécio Neves aos jornalistas Valdo Cruz e Natuza Nery, na Folha de S. Paulo deste final de semana. Em seus comentários na internet, Goldman criticou declarações feitas pelo senador. Muitos dos argumentos expostos pelo ex-governador paulista estão alinhados ao pensamento do ex-governador José Serra, próximo a Goldman.

O ex-governador disse ter “ressalvas” às colocações de Aécio na entrevista. “Em primeiro lugar não penso ‘que a política nacional-desenvolvimentista, que acha que o Estado tem de ser o indutor do crescimento econômico’, não tenha dado certo, como afirma Aécio”, disse Goldman. Para ele, o que não deu certo “é a falta de bom senso e de critérios acertados do atual governo no uso dos instrumentos de indução do desenvolvimento”.

Goldman também chegou a dizer que é “equivocada” a visão de Aécio de que o governo federal teria errado em tentar obter tarifas menores nas concessões na área da infraestrutura. “O erro está em, demagogicamente, se restringir às baixas tarifas, em procurar fazê-lo sem que os concessionários sejam obrigados a realizar os investimentos necessários para melhorar e adequar o que lhes é concedido para modernizar e operar.”

O tucano paulista também afirmou que, mais importante do que o aumento da taxa de juros e a discussão da autonomia do Banco Central, destacados por Aécio, “é o governo atacar de forma rápida e profunda a baixa produtividade de nossa economia, principal razão da elevação da inflação e empecilho para  indústria brasileira exportar”.

Os elogios ficaram restritos a um ponto: as críticas do senador ao combate à inflação.

Neste final de semana, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso participou de um encontro no PSDB-SP, durante o qual disse que “cansou de ver o PSDB desunido”. Pelo jeito, ainda tem uma caminhada pela frente.

 

Mais conteúdo sobre:

AéciocríticasGoldmaninflação