As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Minas foi decepcionante’, diz vice de Aécio

Julia Duailibi

28 de outubro de 2014 | 10h56

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), vice de Aécio Neves na eleição, afirmou que o desempenho da chapa em Minas Gerais, berço eleitoral do ex-candidato a presidente, foi “decepcionante”. No Estado, segundo maior colégio eleitoral do País e que é governado por Aécio e aliados há 12 anos, o tucano teve 500 mil votos a menos que a petista Dilma Rousseff.

Aloysio, porém, não quis mergulhar nas causas da derrota. “Minas foi decepcionante. Mas só eles lá poderiam explicar o que aconteceu”, afirmou o senador. Uma das causas apontadas para o fracasso nas urnas foi a campanha estadual. Para agradar diferentes setores do PSDB e de partidos aliados, Aécio indicou o ex-ministro de FHC Pimenta da Veiga como candidato, que há mais de dez anos vivia numa fazenda em Goiás, longe do Estado. A vitória acabou ficando, no primeiro turno, com Fernando Pimentel (PT).

A partir do ano que vem, Aloysio dividirá espaço no palanque oposicionista no Senado com José Serra (SP) e Tasso Jereissati (CE). Isso sem contar com Aécio, que volta para o Congresso. “Nós seremos absolutamente intransigentes. Vamos fazer uma oposição mais forte, mais aguerrida. Recebemos respaldo popular para isso. É o que esperam de nós”, afirmou. Para o senador, Dilma terá um segundo mandato difícil, principalmente em razão da situação econômica. “Ela fez uma campanha mentirosa, com base em chantagens. Ela escondeu a situação real do Brasil, que vai se mostrar brevemente”, declarou.

Sobre a disputa de 2018 no PSDB, para definir quem será o candidato, Aloysio foi político e não quis palpitar. Os tucanos paulistas já se preparam para lançar Geraldo Alckmin, a despeito do desempenho de Aécio nas urnas, que obteve o melhor resultado para o PSDB nas quatro últimas eleições. “Estou pensando em me candidatar a presidente. Aliás, só penso nisso”, brincou. Ao lado de Serra, o senador é cotado para disputar o governo paulista daqui a quatro anos.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.