As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Isolado no PT, Haddad foi abandonado pelo governo federal

Julia Duailibi

20 de junho de 2013 | 06h09

Leia abaixo os motivos que levaram o prefeito Fernando Haddad (PT) a recuar da decisão de reajustar a tarifa de ônibus da cidade. Assino o texto com Fernando Gallo.

 

Isolado e pressionado pelo PT e rifado pelo governo federal, o prefeito paulistano, Fernando Haddad, foi levado a recuar da decisão de manter o reajuste de R$ 020 na tarifa de ônibus. Nos últimos dias, Haddad vinha sendo pressionado pelo PT municipal e estadual a rever o ajuste e evitar mais desgaste político. O petista também viu frustrada, na noite de anteontem, a expectativa de um gesto de boa vontade da presidente Dilma Rousseff, que trouxesse alívio para as contas da Prefeitura e que permitisse o corte no aumento. A presidente conversou com o prefeito, defendeu o recuo, mas não sinalizou nada de concreto.

Haddad ficou abalado com as cenas de depredação e a manifestação em frente da sua casa na véspera. Contudo, ainda estava disposto a resistir. Ontem pela manhã, viu o presidente da Câmara Municipal, o também petista José Américo, aliar-se ao comunista Orlando Silva para cobrar o recuo, durante reunião dos seus principais conselheiros políticos. Manteve, porém, sua posição. Chegou a afirmar que esperava por “novas desonerações” do governo federal e teve o apoio da maioria do conselho, que disse para ele “não ceder a chantagens”.

A resistência durou até o final da manhã, quando chegou a declarar que a redução seria “uma decisão de caráter populista”. Mas o cenário continuava ruim, e o petista cada vez mais isolado. Foi quando o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), lhe telefonou. “Eu não vou aguentar”, disse o colega ao informar que anunciaria a redução da passagem de ônibus na capital fluminense. À tarde, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, deu sua contribuição e abandonou o prefeito ao afirmar que o governo “não tinha condições” de anunciar novas desonerações para o setor de transporte.

Haddad jogou a toalha e telefonou para o governador Geraldo Alckmin (PSDB) pedindo uma reunião. Foi para o Palácio dos Bandeirantes acompanhado de dois secretários. Lá, o tucano lhe disse que o cenário de protestos iria continuar se não houvesse um recuo no valor da tarifa. Mas a situação do governo do Estado era mais fácil. O recuo custa a Alckmin R$ 210 milhões por ano. Para Haddad, o valor do subsídio das passagem de ônibus duplicará, chegando a R$ 2,7 bilhões em 2016.

Depois de alguns dias de trocas de acusações, principalmente em razão da ação da Polícia Militar na manifestação de quinta-feira passada, a mais violenta de todas, tucano e petista afinaram o discurso. E, sem ajuda do governo federal, optaram por colher os benefícios, principalmente eleitorais, de um recuo que parecia inevitável, mas que foi estratégico.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.