As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Erundina diz que aliança com tucanos é ‘incoerente’

Julia Duailibi

09 de junho de 2014 | 15h10

A deputada Luiza Erundina (PSB-SP) criticou a aliança entre PSB e PSDB no Estado. A coligação em torno da reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB), que deverá chancelada na convenção estadual do PSB no dia 21, foi aprovada em reunião do partido na sexta-feira passada.

“Lamento essa aliança. Ela nega o nosso discurso de mudança, não vejo coerência. É um equívoco”, declarou a deputada. “Vai ser constrangedor. Nós não temos um compromisso de fazer a diferença?”, questionou a parlamentar, afirmando não haver “nada de novo” na administração do PSDB, há 20 anos no poder. “Se não houver novos personagens, novas propostas, vamos frustrar a expectativa que se gerou em torno do PSB-Rede”, disse. “Essa é a minha preocupação: a gente levanta uma expectativa, mas a prática continua representando a política de sempre.”

A Rede, de Marina Silva, pré-candidata a vice na chapa de Eduardo Campos (PSB), também criticou a aliança entre os dois partidos.

Erundina disse que a posição dela é “absolutamente minoritária” no PSB paulista. “Eles conhecem minha posição. Só que, no caso de São Paulo, quase não se discutiu a aliança”, declarou. “Antes mesmo da aliança do PSB com a Rede, o Márcio França (presidente do PSB paulista) já havia assumido um compromisso com o PSDB por conta própria”, declarou. França foi secretário de Turismo de Alckmin e quer ser candidato a vice na chapa do governador, que preferia dar a vaga para o PSD, de Gilberto Kassab, mas também não quer abrir mão do tempo de TV do PSB. “O fato é que ele articulou isso muito bem no partido, e ele tem o controle do partido no Estado.”

Questionada se pretende tomar alguma decisão, afirmou: “Considero um equívoco, mas não vou fazer nenhum movimento contra. É uma situação difícil. Não vou me rebelar. Seria até ridículo uma pessoa só. Vou reiterar meu compromisso com a candidatura Eduardo-Marina e vou fazer o que puder, com minhas bases, para viabilizar essa candidatura presidencial”.

Indagada se Eduardo Campos não se empenhara o suficiente para evitar a aliança PSB-PSDB em São Paulo, Erundina disse: “Ele dizia que estava construindo uma saída. Não sei se ele se empenhou ao ponto de dizer ‘fizemos o máximo’. Quando se quer, se faz”, afirmou a deputada, reconhecendo porém que qualquer intervenção no diretório do São Paulo “seria traumática”.

Alckmin destacou o nome de Erundina ao falar da aliança. “Fiquei muito feliz com a decisão do PSB de compor a nossa aliança aqui em São Paulo. É uma estima desde a época do ex-governador Mário Covas, da ex-prefeita Luiza Erundina. Ao Eduardo Campos, que foi meu colega quando foi governador… tenho grande apreço por todos”, disse Alckmin ontem.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.