As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Eleitor precisa de tira-teima em tempo real

Com tantas trocas de acusações é difícil saber quem está 'faltando com a verdade'

Julia Duailibi

15 de outubro de 2014 | 11h44

O debate da noite de ontem na Band, o primeiro do segundo turno, deveria ser apresentado com uma espécie de tira-teima em tempo real para o eleitor. Foram tantas as declarações do tipo “o candidato falta com a verdade” ou “é mentira da candidata”, que ficou difícil para o eleitor depurar o que era fato em meio ao mar de acusações.

A candidata do PT, Dilma Rousseff, pontuou ao imprimir sua agenda e trazer o candidato do PSDB, Aécio Neves, para a sua pauta, o que foi ruim para o tucano. Estratégia parecida já foi usada pelos petistas em outras ocasiões e se mostraram nefastas para o candidato da oposição, vide a eleição de 2006 e a discussão sobre privatizações.

O PT fez a lição de casa e levou informações novas para tentar desestabilizar Aécio, entre as quais a acusação de que ele cometeu nepotismo durante sua gestão em Minas. Também explorou a administração do tucano no Estado, o que fez com que Aécio passasse parte do tempo rebatendo as acusações da petista. Dilma, como de costume, muitas vezes foi confusa e não conseguiu expor com clareza perguntas ou argumentos. Ainda assim conseguiu demonstrar tranqüilidade.

Aécio explorou as denúncias de corrupção, principalmente da Petrobras. O foco principal, porém, foi a tentativa de trazer o embate para a discussão econômica, mostrando dados ruins do governo Dilma. Mas ficou na defensiva quando confrontado com a gestão FHC e com os indicadores de Arminio Fraga enquanto presidente do Banco Central.

No geral, o tucano mostrou mais do mesmo, sem trazer nenhuma informação nova ao debate que desestabilizasse a candidata. Só que desta vez exagerou um pouco na ironia, passando ao eleitor uma certa arrogância que pode ser perigosa – de novo, o debate de 2006 entre Geraldo Alckmin e Lula mostrou que o público tende a ficar solidário com quem “apanha”.

O embate entre os dois candidatos foi bom. Ajudou a expor um pouco os estilos e pôs mais lenha na fogueira numa eleição excessivamente polarizada. Num confronto tão direto, não tem como o candidato não ficar à mercê dele mesmo, por mais bem treinado que esteja. Por outro lado, de nada serviu para o eleitor entender o que seria o governo de cada um na Presidência. Com tantas trocas de acusações, ficou difícil saber quem “está faltando com a verdade”.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.