As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A reedição do ‘cavalo de pau’

Julia Duailibi

27 de novembro de 2014 | 20h00

Em maio de 2003, José Dirceu, o então novo ministro da Casa Civil e o “capitão do time” que se instalava no Planalto, usou uma expressão para definir a dose de ortodoxia econômica que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva implementara ao assumir o governo. Sem saber que estava sendo gravado, em um encontro fechado do PT, falou que a administração petista havia promovido um “cavalo de pau” na economia. Dirceu referia-se às medidas amargas tomadas logo no começo do mandato, como a manutenção dos juros em patamares elevados e o cumprimento de superávit primário de 4,25% do PIB.

Parece que hoje assistimos a cenário parecido. Com a diferença de que, agora, quem autoriza o “cavalo de pau” foi justamente quem criou a situação para que ele fosse necessário, a presidente Dilma Rousseff. A eleição de 2014 e o susto pelo qual o PT passou com a possibilidade de perder a cadeira presidencial deram uma sacudida em Dilma, que ouviu setores do governo e do próprio partido, como Lula, e fez uma sinalização ao mercado com a escolha de uma nova equipe econômica. O anúncio de Joaquim Levy como ministro da Fazenda é o recibo mais claro de que Dilma entendeu o recado.

Apesar de assessores presidenciais, como Gilberto Carvalho (Secretaria Geral), que em breve deve dizer adeus ao Planalto, dizerem que Levy “vai aderir à filosofia” do governo, tudo indica que o novo ministro da Fazenda vai, na verdade, tentar imprimir “nova filosofia” ao governo. Levy já se antecipou e disse hoje que a melhora nas contas públicas é prioridade e que o superávit primário deverá ser 1,2% em 2015 e no mínimo 2% nos anos seguintes. Uma tentativa de resgatar a credibilidade perdida.

Embora haja, de fato, diferenças de formação econômica, Dilma escolheu Levy porque sabe que a hora é de mudança – e ele aceitou a missão para fazer a mudança. A questão agora é saber até aonde Dilma vai contra sua natureza. Conseguirá controlar seu desejo de ditar os rumos da economia e aceitará medidas propostas pelo time que entra? Não esqueçamos que em 2005 ela chamou de “rudimentar” o ajuste fiscal de longo prazo proposto pela equipe econômica da qual Levy fazia parte. Que ela está decidida, parece que sim. Que vai conseguir, são outros quinhentos.

O fato é que arrumar a casa antes para colher os frutos depois, em ano de eleição, é exatamente o que o PT fez no primeiro mandato de Lula.  A reedição do “cavalo de pau” na economia atende ao projeto político do PT em 2018, seja com Lula, seja com qualquer outro nome. E Dilma sabe disso.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.