Virou deboche

João Bosco Rabello

25 de dezembro de 2009 | 12h00

Uma ode ao cinismo a carta que o deputado Leonardo Prudente enviou ao DEM desfiliando-se do partido. Como “bom moço”, diz que não poderia ser expulso, mas sai por “questões de foro íntimo”.

Reclama cerceamento de defesa e “lamenta” a falta de quórum para julgar o seu caso. Sugere que sua exclusão das próximas eleições é um gesto pessoal – e não uma conseqüência da desfiliação.

E, por fim, anuncia sua volta à presidência da Câmara Legislativa,  vinculando a licença que termina  a problemas de saúde. E mais não disse.

Nem precisava.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.