Retratos do Judiciário- PB (II)

João Bosco Rabello

30 de dezembro de 2009 | 09h00

É ainda da Paraíba um dos registros mais inacreditáveis: o CNJ constatou em sua inspeção que o Poder Judiciário estadual não é detentor de seus próprios dados.

Todas as informações do tribunal são terceirizadas  a uma empresa de economia mista – a Companhia de Processamento de Dados da Paraíba (Codata).

Ela foi contratada sem licitação em 1996 e custa R$ 1 milhão/ano para armazenar, processar e sistematizar os dados do tribunal.

Mais: seus funcionários recebem ainda gratificação do Tribunal de Justiça, por atuarem como representantes do Judiciário junto à empresa com a qual mantêm vínculo empregatício.

O TJ paga duas vezes pelo serviço. Além do contrato de R$ 1 milhão, desembolsa mais R$ 375 mil  anuais com gratificações para os funcionários da… Codata.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.