Relator tucano advogou para Arruda

João Bosco Rabello

27 de janeiro de 2010 | 10h00

Na CPI da Corrupção, repete-se o esquema em curso para a presidência da Câmara Distrital: sai um aliado de Arruda, o deputado Alirio Neto (PPS), contestado pelo seu partido, e entra outro, o radialista Geraldo Naves (DEM). Mais uma mudança para evitar qualquer mudança.

Comunicador, Naves odeia jornalistas. Já subiu à tribuna para desancar a imprensa, acusando-a de distorcer a cobertura sobre a corrupção em Brasília. Frequentemente briga com repórteres  nos corredores da Câmara. Seu padrão jornalístico é um programa chamado “Barra Pesada”, que explora o submundo do crime.

[kml_flashembed movie=”http://www.youtube.com/v/qzqb_4A-URU” width=”425″ height=”350″ wmode=”transparent” /]

Na relatoria, outro aliado de Arruda, o tucano Raimundo Ribeiro, nada menos que seu ex-advogado. O PPS nacional, docemente constrangido, ainda impediu seu prestimoso filiado de presidir a farsa. O PSDB, nem isso.

Tudo o que sabemos sobre:

ArrudaCâmara DistritalCPIPPSPSDB

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.