PT perdeu capital econômico e político

João Bosco Rabello

27 de janeiro de 2014 | 19h15

Desconsiderada a dissimulação legítima em ano eleitoral, o PT já absorveu o segundo turno como realidade, o que está plenamente demonstrado nas manifestações de autocrítica feitas, simultaneamente, para públicos distintos e antagônicos. O mundo capitalista foi o ambiente  para a presidente Dilma Rousseff; o da militância, para Gilberto Carvalho, Secretário-Geral da Presidência  e homem de confiança do ex-presidente Lula.

Dilma e Carvalho investem com promessas de mudanças sobre dois públicos hostis aos rumos do governo, tanto no campo econômico quanto no social. Os primeiros, ressentidos com o tratamento do governo brasileiro ao investidor, de distanciamento crítico, assistem com leve sabor de vitória o empenho da presidente em convencê-los de que agora está convencida de sua importância estratégica.

Os últimos indicam que o PT percebeu ter aumentado a distância também de seus eleitores, que veem na ação de Dilma um gesto subalterno ao Capital. Esse público petista acreditou piamente na reação do governo às manifestações de junho e sonhou com uma Constituinte, plebiscito e reforma política, mas de concreto mesmo, veio mais do mesmo: discurso e a perspectiva de uma eleição de risco.

A simultaneidade das ações empresta ao movimento uma característica estratégica que não pode ser disfarçada. Esse aspecto põe em dúvida a sinceridade dos propósitos anunciados, deixando a sugestão de que o governo se move por imposição de uma realidade que desautorizou as convicções ideológicas pelas quais se permitiu orientar.

Não se traduz por mudança de convicção, mas por rumo tático – passível, portanto, de novo redirecionamento após a conquista de seu objetivo: a reeleição.

Essa desconfiança, somada à constatação de que não são promessas resgatáveis em curto prazo, serve à permanência do ceticismo nos dois lados, o que explica a inquietação do PT com a candidatura de Dilma. Ainda que favorecidos por uma oposição que não soube, até aqui, explorar o desgaste que o próprio governo confessa, o partido antevê uma eleição dura.

Mais dura que o imaginado,  tempos atrás, razão da campanha à parte que será conduzida por Lula, confundindo-se, mais uma vez, entre criador e criatura. É uma meia-sola no lugar do novo sapato, que seria sua troca por Dilma como candidato, conforme desejo expresso no movimento queremista que perdeu força,  mas não desapareceu por inteiro no partido.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.