Precificado por Garotinho, Palocci tornou-se politicamente insustentável

João Bosco Rabello

01 de junho de 2011 | 19h51

Ainda que revertida por iniciativa do Palácio do Planalto, a convocação do ministro Antônio Palocci aprovada na comissão de Agricultura da Câmara é mais um episódio a confirmar que se tornou insustentável sua permanência no cargo.

A operação para “desconvocá-lo”  obriga o governo a declarar mais uma vez que se associa ao ministro no esforço para não ter de explicar o seu súbito e vertiginoso enriquecimento pessoal como consultor de empresas.

A pressão do PT nos últimos dias para que essa explicação aconteça põe sob suspeita a versão cor-de-rosa pela qual a aprovação de sua convocação se deu por distração da base aliada, um cochilo por assim dizer.

A política se desenvolve por ações e também pela ausência de ações. Muitas vezes, estas últimas têm mais eficiência do que as primeiras. Há no ar sinais de vista grossa para o que ocorria na comissão de Agricultura.

Outra omissão importante está no fato de nenhum líder da base aliada, até aqui, ter dissociado o episódio Palocci do governo Dilma.

Sua fase de consultor ocorreu antes da posse de Dilma, compromete seu governo, mas nenhuma voz aliada se fez ouvir nesse sentido, a não ser para respaldar uma inadmissível tese de delitos com prazo de validade – no caso até dezembro de 2010.

A presidente silenciou por muito tempo, fez breve aparição, mas voltou a evitar a abordagem pública do assunto. O que pode sinalizar seu desconforto com o rumo dos acontecimentos.

O cenário indica que a discussão interna no governo agora é sobre forma e nome para substituir Palocci. Nomes são poucos, a forma necessariamente é a que evite uma demissão isolada do ministro.

Como a crise na articulação política precede as denúncias de tráfico de influência do ministro-consultor, o pretexto está na insuficiência da dupla Palocci /Luís Sérgio, ministro das Relações Institucionais.

 Um nome sempre lembrado para o lugar de Palocci é o do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Se assim vier a ser, o posto perderia as características de gabinete de articulação e voltaria a ter atribuições de planejamento e gestão, como as confiadas a Dilma na gestão Lula.

O governo teria de buscar no substituto de Luis Sérgio o perfil do seu novo articulador político, o que tornaria menos espinhosa a substituição de Palocci.

 E abriria caminho para a antecipação da reforma ministerial ( dada como certa ao final do 1º ano deste governo) que dê a Dilma a chance de montar sua própria equipe.

Especulações à parte, o que começa a ser consenso é que, desde a frase moleca do deputado Anthony Garotinho (PP-RJ), de que Palocci é “um diamante de R$ 20 milhões, o governo ficou pior.

De ministro crucificado, como apregoam os que sempre jogam a culpa na imprensa, Palocci passou a ser um ministro precificado.

Enquanto não explicar os R$ 20 milhões não terá proteção política, é a síntese do ex-governador do Rio de Janeiro.

Sórdida, mas real.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: