Ministros fazem “bico” como militantes fora do expediente

João Bosco Rabello

14 Julho 2010 | 08h00

A tal da “campanha fora do expediente”,que Lula concebeu para ajudar Dilma Rousseff, fez escola no governo. O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, foi um dos que fez, ontem, um “bico” como militante do PT. Ele foi ao encontro da candidata Dilma com a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). “Estou em meu horário de almoço e horário de almoço é horário de militância”, disse. E passou ao discurso em que condenou as políticas do governo FHC (1995-2002).

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, twitteiro de carteirinha, fez propaganda para sua mulher, Gleisi Hoffmann, candidata ao Senado, e para Dilma : “Amanha, @Dilmabr e Michel em Curitiba, com @gleisi e Osmar_Dias por volta das 14h”, publicou, às 14hs.

Já o presidente do Senado, José Sarney, tratou da campanha em horário de expediente normal mesmo: foi ao presidente Lula cobrar visitas ao Amapá e Maranhão , para ajudá-lo eleger aliados, entre as quais, a filha, Roseana, que tenta a reeleição ao governo estadual.

Reeleição, por assim dizer, já que ela perdeu a eleição para Jackson Lago, apeado do poder pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), atendendo ação movido pela oposição ou seja, pelos Sarney.