Ministros fazem “bico” como militantes fora do expediente

João Bosco Rabello

14 de julho de 2010 | 08h00

A tal da “campanha fora do expediente”,que Lula concebeu para ajudar Dilma Rousseff, fez escola no governo. O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, foi um dos que fez, ontem, um “bico” como militante do PT. Ele foi ao encontro da candidata Dilma com a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). “Estou em meu horário de almoço e horário de almoço é horário de militância”, disse. E passou ao discurso em que condenou as políticas do governo FHC (1995-2002).

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, twitteiro de carteirinha, fez propaganda para sua mulher, Gleisi Hoffmann, candidata ao Senado, e para Dilma : “Amanha, @Dilmabr e Michel em Curitiba, com @gleisi e Osmar_Dias por volta das 14h”, publicou, às 14hs.

Já o presidente do Senado, José Sarney, tratou da campanha em horário de expediente normal mesmo: foi ao presidente Lula cobrar visitas ao Amapá e Maranhão , para ajudá-lo eleger aliados, entre as quais, a filha, Roseana, que tenta a reeleição ao governo estadual.

Reeleição, por assim dizer, já que ela perdeu a eleição para Jackson Lago, apeado do poder pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), atendendo ação movido pela oposição ou seja, pelos Sarney.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.