Mais do mesmo

João Bosco Rabello

16 de março de 2015 | 12h30

O êxito da manifestação popular do dia 15 era previsível, mas o governo, mesmo assim,  parece tê-la esperado em estado catatônico. É o que se depreende da entrevista coletiva, a dois, dos ministros da Justiça, Eduardo  Cardozo, e da Secretaria Geral, Miguel Rosseto, ao final do dia, para a palavra oficial sobre o protesto.

Como resposta objetiva, mais do mesmo. O governo ofereceu o que já prometera em junho de 2013 e que jamais saiu do papel. E nem poderia: já ali as promessas eram meras peças de retórica: constituinte exclusiva,  reforma política, combate à corrupção. Ontem foi excluída apenas a constituinte.

Mesmo assim, essa reação foi antecedida de um discurso defensivo cada vez mais distante da realidade. Nessa toada, é provável que o contribuinte troque o panelaço durante essas falas enfadonhas do governo pelo controle remoto para desligar a televisão. Ou mudar de canal.

Os ministros não conseguem mais a equidistância necessária do cargo e da camisa partidária. Não foram ali falar do governo, mas do governo do PT, tal o empenho em desqualificar a manifestação. Miguel Rosseto  chegou a dizer que a maioria dos manifestantes é formada por eleitores da oposição,  como se fosse possível contabilizá-los dessa forma.

Nem se deu conta de que a frase admite que eleitores da presidente Dilma Rousseff, ainda que em minoria, já participam dos protestos contra seu governo. Se assim é, com apenas dois meses do novo mandato, trata-se de voto arrependido, o que faz da defesa do ministro uma peça contra o governo.

Rosseto não disfarçava a irritação. E foi além, ao registrar o caráter pacífico da manifestação.   Ao elogiar esse aspecto, disse que não seria tolerável que o tom das passeatas fosse o impeachment, possivelmente sem se dar conta de que a manifestação é livre. Não se dirigia aos partidos de oposição, mas à população que foi às ruas.

Na véspera, o ministro da Justiça, em tom de advertência, dizia o mesmo: passeata, sim, mas com impeachment, não. Seria, na versão de ambos, golpismo. De quem, dentre as centenas de milhares de pessoas que foram às ruas em todo o país, sem companhia  de líderes políticos?

Cardozo saudou a democracia, refletida na manifestação ordeira, valorizando-a como uma garantia do governo do PT, a exemplo do que faz a presidente Dilma Rousseff – e ele próprio –  ao tentar atribuir a uma iniciativa do governo as ações da Polícia Federal e do Ministério Público no combate à corrupção.

Esta, a propósito, mais uma vez anunciada como um compromisso do governo. Agora, com o anúncio de mais uma legislação anticorrupção, como se o Ministério Público e o Judiciário já não estivessem a léguas de distância com a operação Lava Jato, que o governo não trata com a transparência devida.

E como se o combate à corrupção dependesse de mais legislação.

A opção pela escalação dos ministros reforça a imagem de tutela que começa a ficar impressa na presidente Dilma Rousseff. Não é ela quem dialoga com o Congresso, nem a que aparece para anunciar – e mesmo explicar – as medidas do ajuste fiscal, assim como também não se expõe em defesa de seu governo depois de manifestação tão significativa como a de domingo.

Essa constatação empresta credibilidade às versões não desmentidas de atritos cada vez mais frequentes – e intensos – entre a presidente e seu antecessor, Lula, como a que circulou após o encontro mais recente de ambos no Palácio da Alvorada. Por essa versão, o ex-presidente chegou ao limite com a resistência da sucessora em adotar as sugestões que recebe.

Pode ser a resistência à tutela, que as circunstâncias tornam cada vez mais frágil. Possivelmente o roteiro traçado por Lula passa pelo reconhecimento do governo de que seus erros levaram à crise e que, agora, se empenha em corrigir os rumos. Serve a ele, Lula, mas desserve à biografia da presidente – eis aí o dilema.

O reconhecimento de Dilma de que errou na economia serviria a Lula como o atestado de que precisa para se desvincular da crise econômica. No seu governo, os números eram positivos. A sucessora, sua afilhada, produziu a crise por teimosia, uma versão perfeita para seu retorno em 2018.

O problema de Dilma é que os fatos dão razão a Lula: sem reconhecer  os erros que levaram à crise, a presidente terá a missão impossível de defender medidas corretivas, como gosta de chamar o ajuste fiscal, sem causas que as justifiquem.

É no que parece insistir o Planalto:  a ideia de uma cirurgia em paciente saudável,  que fez tudo certo na vida mas, apesar da boa forma, precisa da UTI para tratar uma gripe passageira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: