Governo-tampão do DF vai ser um voo turbulento

João Bosco Rabello

19 de abril de 2010 | 18h46

Muito provavelmente, a gestão do governador “eleito” do Distrito Federal, Rogerio Rosso, vai ser comparável a um avião em rota de turbulência ininterrupta.

Logo nos primeiros dias se depara com o exame da revogação do Plano Diretor de Ordenamento Territorial do DF (Pdot) pelo Tribunal de Justiça.

Como se sabe, uma das peças mais contundentes da operação Caixa de Pandora narra a compra dos votos parlamentares que aprovaram o Pdot.

Nem todos os parlamentares receberam, segundo os autos no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas seguramente os que elegeram Rosso estão na lista.

E os contratos milionários sem licitação, entre empresas de parlamentares com o GDF  a escancarar a ilegitimidade da eleição de Rosso?

O caso de Brasília é sui generis, não reproduz nenhum outro em fartura de provas, abrangência de setores envolvidos e, como é notório, em flagrantes filmados de corrupção.

O que torna cada vez mais espantoso o ritmo deliberadamente lento do Supremo Tribunal Federal em julgar o pedido de intervenção.

Parece ter esperado a realização da eleição indireta na expectativa de criar um fato consumado que arrefeça o ânimo com relação à intervenção.

Rosso, por sua vez, está confiante no acordo suprapartidário que o sustenta, esquecendo-se de que a Caixa de Pandora não foi fechada ainda.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.