Discurso de Lula contra a mídia o alinha aos bolsões radicais do PT

Discurso de Lula contra a mídia o alinha aos bolsões radicais do PT

João Bosco Rabello

16 de junho de 2010 | 17h14

DILMA

O presidente Lula segue na sua permanente estratégia de atribuir à imprensa  parcialidade na cobertura da campanha presidencial.

É uma linha política que procura defender um jornalismo acrítico como referência de uma imprensa ideal – aquela descritiva, que não contextualiza o fato.

Ideal para todos os governos e desonesta com o leitor/eleitor. Uma imprensa que não falasse de mensalão e que em nome de um tratamento isonômico desconhecesse os pesos diferentes dos candidatos.

E dentre os candidatos de peso, desconhecesse o peso adicional do apoio presidencial a uma candidata e que fizesse vista grossa às transgressões conscientes da legislação eleitoral.

Que adotasse o seu discurso, que inverte as responsabilidades num caso como o dossiê contra José Serra, abatido ainda no nascedouro.

Segundo Lula, o PSDB abaixa o nível da campanha ao denunciar o dossiê, quando “jogo sujo” é produzir um dossiê.

Mas tudo isso é pontual: o que o Presidente faz ao semear esse discurso é fortalecer a idéia de que apóia as iniciativas censórias que emergem das facções radicais do PT, que ele diz controlar.

Leva a crer que o controle da mídia não é apenas delírio de aloprados incrustados na máquina petista, como disse certa vez, mas um sentimento comum a partido e a governo.

Com potencial de numa eventual vitória de sua candidata, tornar-se pauta oficial numa linha chavista de cerco à liberdade de informação.

Tendências: