CPI quer ouvir deputados poupados pela Câmara

Andrea Vianna

14 de julho de 2012 | 22h16

Com a cassação de Demóstenes Torres, senadores agora cobram a evolução dos processos contra os deputados envolvidos com Carlos Cachoeira. A ideia é ouvi-los na CPI que investiga as relações do contraventor com políticos logo após o recesso. O alvo principal é o deputado Carlos Alberto Lereia (PSDB-GO), cujo processo foi enviado ao Conselho de Ética. Uma ala do PT também defende a convocação de Sandes Júnior (PP-GO), que teve o processo arquivado. Os petistas alegam que o arquivamento foi “equívoco do relator”, Maurício Quintella Lessa (PR-AL), que também é integrante da CPI.

No último dia 11, a Corregedoria da Câmara arquivou as investigações contra os deputados Rubens Otoni (PT-GO) e Sandes Júnior (PP-GO), mas enviou para o Conselho de Ética a representação contra Leréia. A análise do processo contra Stepan Nercessian (PPS-RJ) ficou para o segundo semestre.

“Serão chamados deputados, governadores, prefeitos e secretários, todos que se envolveram econômica e politicamente no esquema. Na minha opinião, eles têm que ser ouvidos e citados no relatório final”, diz o vice-presidente da CPI, deputado Paulo Teixeira (PT-SP). Um acordo tácito e suprapartidário fez com que a votação dos requerimentos de convocação dos deputados fosse adiada, para que a Câmara se pronunciasse primeiro.

Apesar das promessas da CPI que não livrará os deputados, parlamentares das duas Casas se confrontam em cobranças mútuas. A dívida principal, dizem senadores, seria a Câmara cassar um deputado envolvido com o grupo de Cachoeira. Outras cobranças remontam a projetos polêmicos que avançaram numa das Casas, mas estacionaram na outra.

Senadores dizem que fizeram a parte deles ao aprovarem a PEC do voto aberto, o fim do 14o e 15o salários, as novas regras de divisão dos royalties, mudanças no ICMS do comércio eletrônico, e no entanto, essas matérias pararam na Câmara. Em contrapartida, deputados perguntam quando os senadores votarão a PEC do Trabalho Escravo e o projeto que institui cotas sociais e raciais nas universidades federais.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.