CPI prepara “chá de cadeira” para Fernando Cavendish

CPI prepara “chá de cadeira” para Fernando Cavendish

Andrea Vianna

29 de agosto de 2012 | 10h30

Pode haver desistência de última hora, mas o comando da CPI do Cachoeira decidiu ontem usar o presidente afastado da Delta, Fernando Cavendish, para exemplar os depoentes que se dispõem a calar. A idéia é dar um “chá de cadeira” em Cavendish, convocado para depor daqui a pouco. Como o empresário resguardou o direito de permanecer em silêncio por meio de habeas corpus junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), a ideia é inverter a ordem dos depoimentos para ouvir, em primeiro lugar, o ex-diretor da Dersa (estatal de transportes de São Paulo) Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto.

O plano é fazer com que o empresário perca o dia, aguardando oito ou nove horas, pelo menos, até que seja chamado pelo presidente da CPI, senador Vital do Rêgo Filho (PMDB-PB) para se apresentar ao colegiado, e na sequência, ser dispensado. A Delta é apontada pela Polícia Federal como irrigadora de empresas fantasmas, envolvidas em esquema de corrupção e desvio de dinheiro público comandado pelo contraventor Carlos Almeida Ramos, o Carlos Cachoeira.

A expectativa é que o depoimento de Paulo Preto – que já avisou que deseja falar – estenda-se por oito horas, pelo menos, como ocorreu ontem com o do ex-diretor do Dnit Luiz Antônio Pagot. Enquanto ele falava, quem esperou durante nove horas a sua vez foi o empresário Adir Assad, ligado às empresas de fachada que seriam utilizadas para irrigar milhões de reais repassados à Delta. Protegido por habeas corpus, ele avisou que não falaria e, em menos de cinco minutos, foi dispensado.

A estratégia do “chá de cadeira é uma forma simbólica de retaliação ao código seguido pela maioria expressiva dos depoentes, que transformou a investigação na “CPI do Silêncio”. Até agora, dos 34 depoentes, apenas 14 responderam às perguntas dos parlamentares.

A Delta é a maior executora de projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). De 2007 até agora, a empreiteira recebeu R$ 2,9 bilhões do governo federal, segundo levantamento da ONG Contas Abertas. Considerando os projetos sob responsabilidade das estatais e demais contratos, o total vai a R$ 4,1 bilhões. Em junho, a Controladoria Geral da União (CGU) declarou a inidoneidade da Delta, impedindo-a de assinar novos contratos com a administração pública.

Ontem Pagot revelou à CPI que compareceu a um jantar na casa do ex-senador Demóstenes Torres (GO), em fevereiro de 2011, em que estavam presentes o então presidente da Delta, Fernando Cavendish, e o ex-diretor da empresa Cláudio Abreu, também investigado pela CPI. Pagot afirmou que naquele encontro, Demóstenes lhe pediu que encaminhasse obras do Dnit para a Delta.

A retaliação não produz qualquer efeito prático: antes, revela a impotência do Parlamento diante de um recurso jurídico com capacidade para inviabilizar um dos instrumentos mais eficazes na investigação de corrupção e de apoderação do dinheiro público.

 

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.