Convite a Trabuco esbarra na resistência do Bradesco

João Bosco Rabello

20 de novembro de 2014 | 14h52

Salvo uma reviravolta pouco provável, o novo ministro da Fazenda não deverá ser o executivo Luís Carlos Trabuco, do Bradesco. A operação esbarrou na falta de aval do presidente do banco, Lázaro Brandão, que resiste à perda de seu provável sucessor para o governo.

Essa a razão para que o Planalto não confirme o nome de Trabuco para o lugar de Guido Mantega. A presidente conversou com Lázaro Brandão na terça-feira, mas o empresário colocou como obstáculo sua própria sucessão que está centrada em Trabuco.

Diante disso, a presidente Dilma, segundo apurou este blog, se concentra agora em nome alternativo , mantido em sigilo, que poderá ser convidado até sexta-feira. O novo nome atende às expectativas do mercado, segundo interlocutores do governo.

A presidente teria mantido o desenho já conhecido que leva o ex-secretário-executivo do ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, para o ministério do Planejamento, com Alexandre Tombini à frente do Banco Central.

O episódio faz voltar a versão de que Barbosa poderia ir para a Fazenda, mas não há confirmação disso.

 (Notícia antecipada pelo serviço em tempo real Broadcast Político às 14h36m)

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.