Conflito PMDB-PT pode viabilizar candidatura avulsa à Câmara

João Bosco Rabello

08 de janeiro de 2011 | 17h00

aldo.jpg

Tarefa da hora de Rebelo é justamente unir em torno de seu nome uma oposição cambaleante. Foto: Sérgio Castro/AE – 16.07.2010

O ponto de combustão a que chegaram as relações entre PMDB e PT já põe em risco o acordo para a presidência da Câmara, pelo qual os dois partidos se revezam no cargo, cabendo ao PT ocupá-lo no primeiro biênio.

Não é só – embora seja muito -, o desequilíbrio na distribuição dos cargos de primeiro e segundo escalões que atormenta e infelicita o partido do vice-presidente Michel Temer. À notória desproporção na ocupação de cargos – o PT tem 17 ministérios contra seis do PMDB – soma-se o tratamento de personagem secundário dispensado à legenda pelo governo.

O PT se empenha em exibir o parceiro da aliança como o mal necessário à governabilidade, em nome da qual tolera seus malfeitos, mas ao qual precisa impor limites. “Menos PMDB, menos corrupção”, vendem.

O salário mínimo, tido como o primeiro embate no qual o PMDB daria o troco, é sempre fator de pressão e barganha, mas é uma conta que tem de fechar, então fechará. O conflito é de luta por espaço de poder e o raciocínio é singelo: se não tiver o poder no governo, o PMDB vai buscá-lo no Congresso.

O que abre espaço para prosperar uma candidatura alternativa como a do deputado alagoano Aldo Rebelo (PCdoB), que tenta se materializar com descontentes da base aliada, o “bloquinho” (PDT, PCdoB e PSB) e com a oposição.

A tarefa da hora de Rebelo é justamente unir em torno de seu nome uma oposição cambaleante, cujas lideranças andaram hipotecando solidariedade ao acordo entre seus adversários.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.