Candidato a presidente do PT cobra “reposicionamento” de Eduardo Campos

Andrea Vianna

03 de julho de 2013 | 19h20

O deputado Paulo Teixeira (SP), que lança nesta quinta-feira (4) a candidatura à presidência do PT, no âmbito do Processo de Eleição Direta (PED) do partido, afirma que o atual momento político pede a “unidade no campo de esquerda”. Ele prega que, em nome dessa unidade, o governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, reveja a decisão de se candidatar à presidência da República, rachando a coalizão de apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff.

“O momento requer um reposicionamento do Eduardo Campos. A conjuntura atual pede unidade no campo de esquerda, porque o nosso projeto está sob ataque”, afirma o petista. Num ambiente de queda livre da presidente Dilma Rousseff nas pesquisas, e de estremecimento das relações com a base aliada, Teixeira alerta para a necessidade de “requalificar” os laços com aliados tradicionais, como PDT, PCdoB e o PSB de Eduardo Campos. Ele admite, contudo, que é preciso “melhorar o nível da relação”.

Teixeira defende em 2014 a reedição da mesma aliança que deu sustentação à candidatura de Dilma em 2010, voltando a reunir PDT, PCdoB, PSB, além do PMDB. E sustenta que seja no mesmo formato, abrigando o PMDB na vice-presidência. Neste ponto, Teixeira elogia a lealdade do vice-presidente Michel Temer ao governo e a Dilma. “Temer desempenhou um papel muito importante nesse processo (em alusão às manifestações)”. E acrescentou: “Ele tem sido muito decente com a presidente, nos bons e maus momentos. Por que mudar?”, argumenta.

No processo de eleição interna, Teixeira enfrenta o favoritismo do atual presidente do PT, Rui Falcão, que desfruta da máquina partidária e do apoio do ex-presidente Lula. Representante da corrente Mensagem ao Partido, a segunda maior do PT, Teixeira tem o apoio do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, e do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.