Avanço de Dilma reforça Gabeira no Rio

João Bosco Rabello

25 de janeiro de 2010 | 15h07

O empate técnico entre José Serra e Dilma Rousseff, no Rio, divulgado no final de semana pela TV Bandeirantes, causa uma euforia compreensível no PT. Mas, considerando algumas circunstâncias, é um número até animador para o PSDB.

A pesquisa, do Vox Populi, indica 27 a 26 para Serra e Dilma, respectivamente, e incluiu o candidato Ciro Gomes, que obteve 14% das intenções de votos.

Mas analistas do instituto Vox Populi atribuem o empate técnico à alta popularidade do presidente Lula no Rio de Janeiro, que alcançou 70% de conceitos ótimo e bom – acima da média nacional.

A se confirmar essa tese, Lula estaria demonstrando sua capacidade de traduzir prestígio em votos para Dilma, contestada pela oposição.

Mas não se deve desconsiderar que o Rio, na gestão Cabral, experimentou os benefícios de uma administração aliada ao governo federal e sintonizada nos planos estadual e municipal.

Cabral associou seus êxitos a Lula, o que rendeu dividendos políticos a ambos. O eleitor é sensível aos efeitos positivos desse pragmatismo.

Por isso mesmo, esse resultado acelera a consolidação da aliança PSDB, PV, PPS e DEM, em torno de Fernando Gabeira, cujas negociações devem estar concluídas até o carnaval.

É o palanque que pode fazer de Serra uma alternativa eleitoral num cenário polarizado entre Garotinho e Cabral.

Portanto, embora sirvam para testar estratégias e orientar movimentos táticos em uma campanha que ainda não começou para valer, essas pesquisas são ainda insuficientes como instrumento de previsão.

Tudo o que sabemos sobre:

CabralDilmaGarotinhoPesquisasRioSerra

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.