Arruda – o crime compensa

Arruda – o crime compensa

João Bosco Rabello

02 de fevereiro de 2010 | 21h11

O governador José Roberto Arruda conseguiu completar o movimento decisivo para a sua permanência no cargo até o final do atual mandato. Tem o comando da Câmara e da Comissão de Constituição e Justiça, apesar de tudo.

Foto: Celso Junior/AE

STF condicionou julgamento do governador José Roberto Arruda a uma consulta à Câmara Distrital .Foto: Celso Junior/AE

Tal operação política não se consolida sem um acordo de bastidores que, nesse caso, envolve oposição, governo e Judiciário. E, em alguma medida, também os algozes de Arruda, o ex-governador Joaquim Roriz e o denunciante Durval Barbosa.

O STF, acionado pelo Ministério Público sobre a constitucionalidade da Lei Orgânica do DF, que impede o processo contra o governador, condicionou seu julgamento a uma consulta feita à Câmara Distrital.

Mas não fixou prazo para a resposta.

No período em que comandou a Câmara, o PT de Cabo Patrício sentou em cima da consulta do STF. Foto: Pablo Valadares/AE

No período em que comandou a Câmara, o PT de Cabo Patrício sentou em cima da consulta do STF. Foto: Pablo Valadares/AE

No período em que comandou a Câmara, encerrado ontem, o PT sentou em cima da consulta do STF por 40 dias. Se a oposição agiu assim, que dirá a nova Presidência, eleita ontem, fiel ao governador.

Durval Barbosa recuou do prometido depoimento a uma CPI que também está sob controle do governador.

É a mesma base aliada que aparece nos filmes do ex-secretário de Arruda, guardando propina em meias e agradecendo a Deus pelo “sucesso financeiro”.

A desistência de Durval em depor na CPI é o fato mais significativo desse enredo desmoralizante. Poupou o governador no momento mais importante da operação que, até aqui, garante sua sobrevivência no cargo.

A Polícia Federal, que tem Durval sob custódia, deve explicações sobre seu recuo. Sob pena de passar recibo de instituição que elege seus alvos de acordo com suas conveniências políticas.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.