A saia justa da OAB com Arruda

A saia justa da OAB com Arruda

João Bosco Rabello

18 de dezembro de 2009 | 14h42

A seccional da OAB do Distrito Federal está na maior saia justa. Recém-eleito para presidir a entidade, Francisco Caputo é advogado do governador José Roberto Arruda no processo do mensalão do DEM, que corre em Brasília. Seu amigo pessoal, o governador foi um empenhado e eficiente cabo eleitoral, o que gerou críticas e acusações a Caputo no curso da campanha. A principal delas, a de comprometer a instituição com o governo, limitando a isenção que a OAB precisa preservar para exercer seu papel cívico de fiscal e árbitro.

Ainda sem uma biografia consolidada, Caputo venceu lideranças expressivas da OAB, êxito creditado à sua aliança com o governador do DF. Houve mesmo acusação de financiamento de parte de sua campanha. Foto: Roosewelt Pinheiro/ABr

Ainda sem biografia consolidada, Caputo venceu lideranças expressivas da OAB, êxito creditado à sua aliança com Arruda. Houve mesmo acusação de financiamento de parte de sua campanha. Foto: Roosewelt Pinheiro/ABr

O desconforto da OAB nacional com a situação é visível para os que acompanham o dia-a-dia da instituição. A regra é não deixar transparecer qualquer tipo de censura a Caputo. Mas como a campanha eleitoral deixou sequelas exatamente pela participação de Arruda, está sendo difícil conter entre as paredes da sede a discussão do assunto. Ainda sem uma biografia consolidada, Caputo venceu lideranças expressivas da OAB, êxito creditado à sua aliança com o governador do DF. Houve mesmo acusação de financiamento de parte de sua campanha.

Agora, a preocupação da entidade nacional é que a convivência entre o presidente da seccional Brasília com um governador amigo e cliente, à beira do impeachment (proposto pela própria OAB),processado no Superior Tribunal de Justiça, e com uma exposição nacional negativa como a de Arruda, estabeleça um conflito de interesses que acabe atingindo a instituição.

Tudo o que sabemos sobre:

ArrudaCaputoConflito de InteressesOAB

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.