Pintópolis,o município literal

Eder Brito

25 de setembro de 2013 | 11h42

Por Eder Brito

Localizado no norte de Minas Gerais, Pintópolis foi emancipada com este nome em 1995, homenagem ao fundador, Germano Pinto. Em um lapso de humildade, ele agradeceu a tentativa, mas decidiu que o Brasil não teria uma Germanópolis. Acabou sugerindo o sobrenome como alvo do tributo.

A cidade já foi assunto de matérias na imprensa e até ilustrou campanha publicitária de marca de desodorante. Mais curioso e pouco abordado, no entanto, é que o “polêmico” sobrenome permanece sendo realidade na gestão pública municipal de Pintópolis, mesmo depois de quase 18 anos da emancipação.

O Prefeito Arguinel Paixão Souza Pinto foi eleito em 2012 com 2.489 votos, quase 55% dos 4.566 eleitores de uma população que tem pouco mais de 8 mil pessoas, segundo o IBGE. Filiado ao PC do B, Arguinel foi o vereador mais votado da cidade em 2008 antes de assumir a Prefeitura. Ele também é fundador da rádio Teimozia (com Z mesmo, teimosa, de propósito), a mais tocada do município. Não dá para ignorar também que um dos principais locutores da Teimozia é Didi Pinto.

O terceiro vereador mais votado da cidade em 2012 foi Lázaro Charles Souza Pinto, com 190 votos, apenas 29 atrás do primeiro colocado. Desde 2000, quando ele também foi eleito, a Câmara Municipal não tinha um representante do famoso sobrenome (com exceção do já citado Arguinel, em 2008). Nas primeiras eleições da história do município, em 1996, Leopoldino Rodrigues Pinto do PSDB garantiu a tradição. Outros dois Pintos quase entraram na Câmara no ano passado. José Ulisses Pinto Neto do PRTB ficou com 162 votos e Rafael Almeida Pinto do PHS teve 87 votos. Ambos são suplentes.

A tendência se repete até quando as políticas públicas e produção legislativa nascem de outros sobrenomes. O vereador José Rodrigues da Silva (PPS) batalhou para viabilizar a verba e instalar o quebra-molas na Rua Albino Pinto. Já o requerimento de revitalização da Praça Germano Pinto surgiu graças à iniciativa do vereador tucano Edmilson… Batista Nunes.

A participação da população em assuntos da administração pública e em momentos importantes da política local também é forte por lá. O grupo “Uma Pintópolis Melhor” começou como um blog e virou plataforma na orientação e educação política dos eleitores durante o pleito em 2012. Também auxiliou em ações sociais, como arrecadação de alimentos e a campanha de doação de agasalhos, “Uma Pintópolis sem frio!”. O grupo é coordenado por Raiane Alves da Cruz Pinto. Obviamente.