Pérolas de Guararema

Eder Brito

23 de julho de 2014 | 11h28

Sempre digo que admiro demais o camarada que decide encarar o desafio de ser Prefeito. Isto porque governar uma cidade brasileira, frente à cultura política que temos e o emaranhado jurídico que cerca a vida de um gestor público, é ter certeza de ser processado na Justiça por algum motivo.

Com Márcio Alvino de Souza, ex-Prefeito de Guararema-SP, não foi diferente. Filho de políticos da região, ele já deveria ter aprendido a lição. Seu pai, Sebastião Alvino, foi prefeito duas vezes na década de 70 e a mãe, Conceição Alvino, foi prefeita três vezes entre os anos 80 e 2000. Uma família com tantos mandatos já deveria saber que a vida política pode ser muito ingrata.

Márcio está licenciado atualmente, pois é candidato nas eleições de outubro, mas no último mês de junho foi multado pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo por uma contratação irregular realizada em dezembro de 2011. Sua administração pagou a uma empresa para realizar a decoração de natal de Guararema, sem fazer licitação. O valor da contratação foi de 165 mil reais. O valor da multa aplicada pelo Tribunal de Contas é de 4 mil reais.

É provável que Márcio não precise mexer no próprio bolso para pagar a multa. Isto porque, pouco mais de um mês depois de receber a multa, o ex-prefeito ganhou uma outra ação. O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou um homem a pagar indenização ao então chefe do Executivo de Guararema. Um homem teria utilizado indevidamente uma imagem do prefeito em uma rede social.

Alvino disse à Justiça que, antes de pedir afastamento do cargo, este agora condenado munícipe divulgou no Facebook uma montagem com a imagem da cabeça do político em um corpo coberto de lama, em uma estrada sem asfalto de Guararema. O réu diz que apenas compartilhou a imagem e não é o autor da obra. Disse ainda que um homem público está sujeito a críticas dessa natureza (concordo com o réu!). Isto, é claro,  também nos faz pensar o quanto a justiça ficaria ocupada se todos os memes e montagens da internet virassem objeto de ações judiciais.

O Tribunal entendeu que a publicação “extrapolou o limite do razoável e produziu danos de ordem moral” ao ex-prefeito. O réu está condenado a pagar 7 mil reais pela transgressão. Com a grana, é possível que Márcio pague a multa do Tribunal de Contas e ainda sobra um troco bom.

O ex-prefeito e atual candidato a deputado federal pelo PR também teve duras lições da vida pública oriundas de outro personagem bem próximo. Apesar de não ser membro da família, Valdemar da Costa Neto é “chegado” de Márcio. Na visão da imprensa do Alto Tietê, como é conhecida a parte do Estado onde se localiza Guararema, Márcio é o herdeiro político de Valdemar por ali. Segundo o Diário de Mogi, jornal importante da região, tão logo soube de sua condenação pelo Supremo Tribunal Federal e da cassação de seus direitos políticos por envolvimento no caso do mensalão, Valdemar reuniu as lideranças do PR no interior e fez um discurso que deixou clara a “benção” dada à Alvino.

Márcio também namora a ex-BBB Fani. Ou namorava, não sei. Não tenho visto o programa do Nelson Rubens e isso definitivamente é assunto para outros blogs. Mas prestar atenção neste personagem durante a campanha que já começou é missão de todos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.