Para além do CQC

Humberto Dantas

04 de outubro de 2013 | 11h00

Quando o programa CQC da Band chegou à Joanésia, Minas Gerais, o assunto era delicado: nepotismo. Tão delicado que enquanto teorias filosóficas o dão como sinônimo indissociável de corrupção, a lei brasileira o relativiza e a nossa cultura política o aceita com certa naturalidade. Basta ver as pesquisas de opinião pública. Não aquelas em que cidadãos afirmam achar absurdo um político contratar o irmão como assessor, por exemplo. Mas sim aquelas em que muitos afirmam que se pudessem empregar um familiar em cargo público de confiança o fariam. Pois bem, o foco maior era o prefeito Antonio Carlos de Alvarenga (PSDB), o Nenzinho – derrotado no pleito de 2008, vencedor em 2012 – e seus 20 parentes lotados na máquina.

 

Vista a reportagem que chamava a cidade de Alvarengolândia e diante do tenebroso cenário, parecia possível imaginar que Joanésia fosse homenagem a alguma Joana Alvarenga. Ignorância! A mais famosa mulher com esse nome é modelo de sucesso em Portugal. Assim, Joanesia Princeps é uma árvore abundante na região, conhecida como boleira. Mesmo bolado, desista de procurar por Joana para continuar conectado com a atração da TV. Mas complementemos o trabalho do CQC olhando para o Legislativo.

 

Joanésia teve apenas quatro de seus mais de 70 candidatos a vereador com o sobrenome enfatizado pela Band. Três deles, juntos, somaram cinco votos. Aparecida ficou com um, mas esqueça dela. Alim do Dico teve mais um voto e é Allyson, irmão de Eder do Dico, que é Eder Alvarenga, vice na chapa de Nenzinho. Mary teve três e na verdade é Meire do Nenzinho, casada com o prefeito. Como pode, com um marido que alavancou quase dois terços do eleitorado, a primeira dama ter uma mísera trinca deles? Uma mera hipótese está associada ao fato de que Meire leciona na rede pública. E a lei garante aos servidores efetivos licença remunerada quando se candidatam. Assim, se muitos se esforçam por si, outros sequer pedem votos e uma parte trabalha na eleição alheia. Teria sido isso? Não podemos afirmar, mas a professora Meire ganhou a Secretaria de Educação. Se dependesse de seu desempenho pessoal nas urnas teria apenas voltado para a lousa, mas o nepotismo… E para reforçar o compromisso de Joanésia com a família, José Fábio de Alvarenga (PRB) conquistou 310 votos e foi eleito vereador. Detalhe: Cici é o poderoso ex-prefeito, eleito e reeleito entre 1996 e 2000, irmão de Nenzinho, o atual mandatário. E Cici obviamente é José Fábio. Tão óbvio quanto destacar que as sementes da Joanesia têm forte poder purgativo. Onde alocar essa informação no texto? Use sua criatividade.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: