O prefeito está nu?

Humberto Dantas

17 de março de 2014 | 07h49

Tirar a roupa pode dar votos? Ou a nudez é uma coisa e a política é outra? Para os mais entusiasmados, certamente fica a certeza que esse texto tratará da história de modelos que depois de posarem ‘ao natural’ para revistas ditas ‘masculinas’ tentaram a sorte na política. Nada disso. E nada também de pessoas que sacam as vestimentas pra protestar, invadindo prédios públicos ou correndo em praças e eventos esportivos. Isso pode até ser uma forma de fazer política, mas não é exatamente disso que trataremos aqui. Por sinal, esse tipo de situação tem se mostrado bastante comum.

 

Falemos aqui dos prefeitos que em algum instante tiraram a roupa em exercício de mandato e tornaram-se mais famosos por isso. E nada de metáforas ao estilo ‘o rei está nu’. Vamos tratar de gente que liberou geral, que tirou a roupa literalmente. Em meio à realização de uma etapa do Rali do Batom, que reúne mulheres e seus veículos estradeiros, o prefeito de São João dos Patos – e lá vamos nós de novo para o Maranhão – subiu na mesa e protagonizou um verdadeiro strip-tease. Sobrou a cueca, é verdade, mas José Mario (PMDB) exagerou. O motivo? De acordo com o Blog do Décio, que traz os vídeos da aventura, ela deu o ar da graça: a cachaça. O evento ocorreu em 2011, e para o trabalho continuar, mote maior da coligação vencedora, o PMDB se manteve no poder em 2012.

 

O efeito das drogas também parece ter feito o ex-prefeito de São José dos Quatro Marcos (MT) passar por constrangimento seminu em 2012. Aqui não tratamos exatamente de uma aparição pública, mas as roupas também se fizeram ausentes. Nesse caso, Joaõ Ferlin (PT) alegou ter sido extorquido por um casal ao cair no famoso golpe ‘boa noite Cinderela’. Contratante de uma garota de programa chamada Poliana em Brasília, após o efeito do medicamento ingerido sem seu consentimento foi fotografado dormindo de cueca com um homem. A partir de então chantagem e mais chantagem, até que o mandatário denunciou e a polícia prendeu os meliantes. Que susto!

 

Mas parece que nem só nas cidades brasileiras o fenômeno da nudez oficial é verificado. Em Nova York um cantor famoso por tocar música country de sunga e chapéu de cowboy nas ruas chegou a lançar sua pré-candidatura à prefeitura em 2009. Desistiu poucos dias depois, e não parece se adequar exatamente ao nosso perfil. Em Toronto, a história também não é das melhores: uma montagem mal feita colocou um prefeito da cidade de cueca na capa de uma revista, recolhida e processada. Mas na Bélgica encontramos um vice-prefeito que seguiu o exemplo de nosso maranhense, e num evento realizado num karaokê sacou as vestes num strip-tease. O senhor calvo, poucos cabelos grisalhos na cabeça, aparece de cueca e microfone nas mãos mandando ver numa canção. Se a moda pega, em breve teremos alguns políticos sacando as vestes. Você arriscaria uma lista de mandatários cuja atuação nu-dançante lhe agradaria? Eu prefiro me abster das respostas.

 

Tendências: