Interesse jovial político

Camila Tuchlinski

15 de maio de 2015 | 11h46

Essa é para aqueles que acham que jovem não se interesse por política. O exemplo vem dos Estados Unidos, mas é possível encontrar a mesma situação aqui no Brasil. A cidade de Indian Head, no estado de Maryland (EUA), está prestes a ser administrada pelo prefeito mais novo da história da região. O município tem quatro mil habitantes.

Brandon Paulin tem 19 anos e venceu as eleições no último dia 5, conquistando 239 votos. Isso é mais que o dobro de votos que o atual prefeito e 52 a mais que o candidato que estava em segundo lugar na disputa. Na família de Paulin, ninguém já foi ou é político.

O interesse do rapaz foi despertado quando tinha 11 anos de idade, ao participar de reuniões públicas em India Head. Na época, apontou um problema que entendia ser grave: no trânsito, os carros nunca paravam para os pedestres. Paulin ficou radiante quando, um mês depois (e após muita insistência da parte dele), o local estava repleto de placas alertando os motoristas a serem cuidadosos. “Nova visão, novo caminho” foi o slogan de campanha para vencer as eleições para prefeito da cidade oito anos depois de participar da reunião comunitária. Para o novo líder, o povo está cansado dos mesmos políticos: ‘Depois de 20 anos, você para de acreditar neles’.

Paulin ainda está na faculdade, mas disciplinas on-line o ajudarão a concluir o curso de Ciência Política e administrar India Head.

No Brasil, há mais de 400km de Porto Alegre, a cidade de Seberi também teve o prefeito mais jovem do país. Mas foi uma ‘passagem relâmpago’. De 9 a 13 de fevereiro deste ano, Anthony dos Reis Moraes assumiu a prefeitura da cidade, enquanto o prefeito Renato Bonadiman esteve em viagem e a vice, em licença. Apesar de só cinco dias de administração, aos 20 anos de idade, Anthony é o atual presidente da Câmara Municipal de Seberi. Filiado ao PP, Partido Progressista, o vereador destaca a vontade de atrair mais os jovens para a política e qual é a postura dele como presidente da Casa Legislativa. “Mais do que vereador e integrante de um partido, minha característica será como um juiz. Não posso tomar posição de partido algum. Serei a balança do Poder Legislativo”, disse Anthony em entrevista ao jornal local ‘Folha do Noroeste’.

Apesar da imagem desgastada dos políticos em geral, principalmente em terras brasileiras, uma nova geração surge com ideias menos conservadoras e privilegiando o diálogo. Avança, democracia!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.