‘Homem-bomba’ na Câmara de Itaguaí

‘Homem-bomba’ na Câmara de Itaguaí

Camila Tuchlinski

26 de junho de 2015 | 08h06

A cidade de Itaguaí, no Rio de Janeiro, vive tempos turbulentos na política local. Há dois meses, o então prefeito tucano Luciano Mota foi afastado do cargo por determinação da Justiça. Documentos da Polícia Federal revelam esquema de corrupção do ex-prefeito, que distribuía cargos na administração da prefeitura para 13 dos 17 vereadores da Câmara Municipal. Além disso, Mota teria realizado pagamentos de R$ 600 mil, numa espécie de ‘mensalinho’, para barrar andamento de investigações na Casa. A Polícia Federal investiga, inclusive, o uso de uma Ferrari amarela, avaliada em R$ 1,5 milhões e alugada pelo ex-prefeito. O veículo seria o símbolo do desvio de verbas na Prefeitura de Itaguaí. A PF não se pronuncia com detalhes sobre o assunto, pois as investigações estão sob sigilo.

Em março do ano passado, o Tribunal de Contas do Estado pediu explicações ao prefeito sobre o aluguel de 185 carros para o município. A locação chegava ao valor de R$ 7,1 milhões por ano. Semanas depois de ser afastado do cargo, Mota foi expulso do PSDB.

Luciano Mota foi eleito em 2012 com quase 48% dos votos. No site do Tribunal Superior Eleitoral, Mota declarou não possuir bem algum.

Dados pessoais

Nome completo

LUCIANO CARVALHO MOTA

Nascimento

08/07/1982

Município de nascimento

VOLTA REDONDA / RJ

Nacionalidade

BRASILEIRA NATA

Sexo

MASCULINO

Estado civil

SOLTEIRO(A)

Grau de instrução

ENSINO MÉDIO COMPLETO

Ocupação principal

EMPRESÁRIO

Declaração de bens apresentada à justiça eleitoral (2012)

Valor total dos bens declarados: R$ 0,00

((fonte: site do TSE))

Como se não bastassem as denúncias envolvendo o ex-prefeito, as investigações sobre o esquema de ‘mensalinho’ na Casa Legislativa envolvem a maior parte dos vereadores. Os moradores da cidade já não aguentam mais o mar de denúncias.

Na última semana, durante a sessão plenária da Câmara Municipal que aprovaria a Lei de Diretrizes Orçamentárias da cidade, houve protestos. Um homem de óculso escuros e vestido com um uniforme da Prefeitura de Itaguaí carregava ‘bombas de confetes’ amarradas ao corpo. O caso foi registrado por jornais locais.

JORNAL ATUAL - CAPA

Minutos antes de a sessão da LDO começar, o manifestante colocou em prática seu plano de explosão da bomba de confetes. Outras pessoas vestidas de palhaço também jogaram papéis picados no plenário. O presidente da Câmara, Nisan César (PSD), ficou irritado e ameaçou demitir funcionários que estivessem envolvidos no protesto. ‘Vocês estão prejudicando o município’, alertou Nisan. Os manifestantes foram expulsos da Casa.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.