Da ignorância de pedras e amebas

Humberto Dantas

11 de outubro de 2013 | 12h05

Quando o vice-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, declarou no início do ano que a Rede Sustentabilidade de Marina Silva era um grupo “fundamentalista, religioso e preconceituoso”, logo pensei: por que ele afirma isso? Com base no que? Como um homem que sofreu tanto com perseguições históricas a seu caráter comunista pode carregar tamanho volume de intolerância? Seria o peso da crítica marxista à religião que o cega desse modo? Não! Impossível que o marxismo tenha tamanho peso no PSB. O partido que aceitou disputar o governo do Estado de São Paulo em 2010 com o presidente da Federação das Indústrias não aparenta razão ideológica. Nesse caso então podemos dizer que o PSB é uma arena tolerante? Na voz de seu “número dois” parecia que não. Mas a realidade mostrou ser diferente.

 

E o caráter absurdo da declaração de fevereiro foi tão grande que complementar a ela veio a afirmação: “eu não tenho muita informação”. Puxa vida! E sem informação a coisa é ruim? Fundamentalista, religiosa e preconceituosa? Pois bem. Hoje ele diz que apesar de ter afirmado a existência do caráter religioso “não há problemas no fato de Marina ser evangélica”. E deveria haver? Claro que não. E mais estranho que isso parta de uma legenda que em 2002 abrigou o mais evangélico dos candidatos relevantes à presidente da história recente do país. Antony Garotinho, que teve como coordenador de seu programa de governo o próprio Amaral, enfatizou de forma expressiva tal característica em seus discursos e colocou a religião no mapa daquela disputa. Sua presença obrigou os institutos de pesquisa a redobrarem cuidados com a fé nas análises. Como pode haver problema nisso? Sobretudo para o PSB! Assim, traindo a história da legenda, Amaral nos dá uma lição de cultura política brasileira. A conclusão é clássica: agora tudo mudou! Afinal, Marina chegou ao berço “socialista” e encheu de expectativas a terceira via da eleição de 2014.

 

Incomodado com sua análise de outrora e diante da aliança com sua ex-colega de governo Lula, o ex-ministro da Ciência e Tecnologia exclamou algo, sobre a Rede, que apenas um homem que passou por um cargo assim, tão afeito ao conhecimento e recheado de sofisticação acadêmica e intelectual, poderia ofertar sobre sua complexa leitura de mundo: “Essa era a minha avaliação naquela época. Mas só as amebas e as pedras mármores é que não mudam”. Interessante! E nesse caso poderíamos imaginar que outros tantos tipos de pedras seriam capazes de mudar de ideia? A começar por nós mesmos, petrificados com tamanha afirmação? E o que dizer das amebas? Bem, a única Ameba literal na política foi candidato a vereador em 2008 pelo PSDC em Anápolis, interior de Goiás. Lá obteve 88 votos e foi o ducentésimo trigésimo terceiro colocado. A relação com Amaral? Aparentemente nenhuma além das duas primeiras letras, mas isso em uma análise tão complexa quanto aquela de fevereiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: