Soldado Cabelo Duro! Regimento dos espertos!

Humberto Dantas

14 de outubro de 2013 | 11h00

Lula adora falar dos milagres que realizou. Sobre o Bolsa Família diz que a imprensa o acusa de criar um “exército de vagabundos”, que subsidiado pelo governo não tem interesse em trabalhar. Não generalizemos assim. É claro que em meio aos inscritos deve haver quem não tem interesse em suar a camisa na labuta. Mas é fato que esse tipo de política, iniciada no governo do PSDB e estendida sob o PT carrega muitos aspectos positivos. Entre eles está servir como “assistente de empreendedorismo”. Com o auxílio mensal cada um pode pensar num modo de alavancar-se rumo à prosperidade.

 

Teria sido essa a visão do agricultor Sebastião Passos de Sousa? O cidadão natural de Luís Correia, no Piauí, foi acusado de receber mensalmente R$ 198 do programa para ele, sua esposa e quatro filhos. Detalhe: Passos foi eleito vereador em 2012 e tem o benefício desde junho de 2001. A informação desmente que o Brasil abençoado por Lula tenha sido descoberto em janeiro de 2003. Já existia auxílio de combate à pobreza antes de o PT chegar à Brasília! E nesse cenário, Passos não pode ser acusado de forma “tão incisiva”. Faz quase uma década que ele aparece na lista de candidatos da cidade, buscando cadeira na Câmara Municipal. O Bolsa Família e seu caráter empreendedor criou um novo membro da classe política nacional. Que prosperou! Em 2004, pelo PSDB que governava o Brasil quando ele começou a receber o benefício, foram 209 votos e a suplência. Em 2008, já pelo PSB, nova suplência, com 428 votos. E em 2012, o sentido maior do recebimento do benefício que permite ao brasileiro sonhar com uma nova vida. Com 589 votos foi eleito pelo PSB e ocupou uma das 11 cadeiras da Câmara Municipal.

 

Tudo sob o sonho de avançar! Mas o estranho é que o recebedor da bolsa, com renda per capita familiar de R$ 30 em 2001, e mantido como beneficiário por doze anos, tenha casa, moto 2001 e carro 2011, com patrimônio declarado de R$ 59 mil. Ademais: de onde veio o dinheiro para bancar a campanha? Ano passado o volume de recursos próprios investidos foi de R$ 5.822, ou seja, 29 vezes o valor mensal que recebe do governo. Seria essa a razão de nosso próspero vereador ser chamado de Cabelo Duro na cidade? O foco é tão expressivo que sequer shampoo existe em sua casa? Quanto sacrifício! Tão expressivo que passamos a entender que no ilusório “exército de vagabundos” há um regimento real formado pelos espertos, composto por parte dos mais de dois mil políticos eleitos em 2012 que recebem o Bolsa Família de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social. Entre os armamentos uma máscara de madeira, que lhes rende a cara de pau. Mas voltando ao nosso caso, lembremos que Luís Correia um dia se chamou Vila da Amarração. Até quando viveremos sob as amarras dessa esperteza? Acabar com isso é tão raro quanto encontrar praias no Piauí. Mas não é que a linda Luis Correia é uma das quatro cidades do estado que as tem? Resta uma esperança!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: