300

Eder Brito

18 Novembro 2015 | 10h51

Eu podia começar com uma piada bem ruim envolvendo Esparta e o filme inspirado na obra de Frank Miller. O Rodrigo Santoro interpreta um tirano e até seria possível falar de política a partir disso. Poderia falar de como o governo local decidiu encarar o poder hierarquicamente superior. Poderia falar do princípio da subsidiariedade. Viraria uma analogia bem diferente, mas talvez bem ruim, envolvendo o federalismo. Mas é melhor não ir por aí. Alguém iria me lembrar que o governo local acabou perdendo (spoiler alert?) e iriam destruir minha teoria.

Eu poderia partir de duas notícias recentes envolvendo Prefeituras. Falaria que em setembro, o governo municipal de Campina Grande, na Paraíba cortou o salário de 300 servidores que não se recadastraram devidamente. Até encontraria um link com um texto recente aqui do blog e com o famoso meme da “Senhora!? Senhora??!”, funcionária fantasma mais famosa do ano no país. Complementaria falando de outra história que ocorreu no mesmo mês, em Marabá, no Pará, onde a Prefeitura decidiu demitir 300 funcionários contratados, em mais uma dessas ações de cortes de gastos em governos municipais que tentam enfrentar a crise de alguma maneira.

Também teria a possibilidade de lembrar de uma história mais antiga, quando Henrique Alves ainda era presidente da Câmara dos Deputados. É porque foi naquela gestão que 300 prefeitos “invadiram” a casa para tentar falar à força com o então Presidente do Legislativo, em busca de um aumento nos repasses da União às cidades, via FPM (Fundo de Participação dos Municípios). Daria um belo manifesto municipalista, com o mesmo número de pano de fundo. Mas alguém ia acabar me acusando de perseguição ao PMDB. E em tempos de Cunha, não quero chutar cachorro morto.

Conseguiria ainda tocar em um assunto mais polêmico e mais triste, lembrando que há um grupo de prefeitos e ex-prefeitos sendo acusado de desviar… 300 mil reais. O assunto veio à tona graças à investigação conduzida pelo Ministério Público do Paraná. São políticos que presidiram a Amunorpi (Associação de Municípios do Norte Pioneiro) e nunca prestaram conta dessas três centenas de milhares de reais.

Por fim, dava até para tentar eleger um tom mais otimista, de celebração e lembrar que os Estados Unidos tiveram eleições locais em alguns de seus territórios, recentemente, no começo de novembro. Uma das grandes democracias do mundo teve um processo importante, recente, atual, elegendo 300 prefeitos em diferentes localidades. São cidades que contribuem para o fortalecimento das instituições em um território que “emite” frequentemente muito dos valores do federalismo e da democracia para o resto do mundo. Mas alguém me acusaria de forçar a barra ou de “pagar pau pra gringo”. Melhor não.

Por isso só me resta comemorar. Esse é o texto de número 300 no blog do Humberto Dantas. Ele, a Camila e eu estamos muito felizes por ter se esforçado semanalmente até agora, encontrando tanta coisa boa para refletir sobre nossa cultura política. Aqui não é Esparta. Mas a luta diária para gerar conteúdo e ter conseguido produzir tanta coisa em tão pouco tempo é motivo de orgulho. Fico até com vontade de gritar que nem o Gerard Butler naquela cena. Mas seria ridículo. Seria, né?