Os eleitores precisam conhecer melhor os candidatos a vice-prefeito

Os eleitores precisam conhecer melhor os candidatos a vice-prefeito

REDAÇÃO

19 de novembro de 2020 | 14h17

Maria Rita Loureiro, socióloga e professora titular da FGV EAESP

 

A eleição é  momento decisivo de uma ordem democrática.  Mesmo não sendo suficiente para garantir um bom governo, o processo eleitoral constitui o principal mecanismo através do qual os sistemas democráticos procuram efetivar o princípio de que os governantes só irão promover  o bem estar do povo, se nascerem da vontade genuína do povo, ou seja, da maioria, mas que respeita as minorias.

Se as campanhas eleitorais se restringirem à propaganda na mídia, feitas de palavras rápidas e vazias de conteúdo,  a meros “slogans” publicitários, a distribuição de “santinhos”, a inúmeras promessas e outros artifícios para convencer o eleitor,   aqueles princípios estarão muito distantes de sua realização.

Sem o debate entre os concorrentes para examinar os programas de governo e suas viabilidades concretas, o momento eleitoral perde uma dimensão democrática fundamental que é a formação do julgamento político  por parte dos cidadãos. Assim, todos os partidos e seus candidatos, tanto para o Legislativo, quanto para o Executivo, precisam passar pelo crivo da avaliação do eleitor. E só pelo debate o cidadão pode, de fato, formar sua opinião política, base de sua escolha partidária.

No momento atual no país, estamos assistindo debates importantes entre os candidatos que disputam os cargos para os executivos municipais onde haverá segundo turno.  Todavia, tem-se observado que esses debates estão se restringindo aos candidatos a titulares dos cargos executivos, não abrangendo os candidatos a vice-prefeitos que têm permanecido, na maioria das vezes, desconhecidos para nós, eleitores. Frequentemente são de partidos distintos dos titulares, podendo até exprimir ideias, valores e interesses políticos diversos dos que serão eleitos e a quem podem vir eventualmente a suceder.

É muito lamentável que não possamos conhecer melhor quem serão os candidatos a vice-prefeito onde haverá eleições no próximo dia 29. Mesmo guardando as devidas proporções, o debate entre os candidatos a  vice-presidentes nos Estados Unidos é um exemplo positivo a imitar. Os vices muito provavelmente irão participar dos futuros governos e influenciar suas políticas públicas, além da sempre possível eventualidade de suceder aos prefeitos agora eleitos.  Não são raros casos recentes, especialmente  em São Paulo. Pode-se lembrar que vice-prefeito Kassab sucedeu ao prefeito Serra, que deixou o cargo para se candidatar a governador do estado e o próprio Bruno Covas, tornou-se prefeito, sucedendo ao então prefeito Dória, nas mesmas circunstâncias.

Portanto, é importante que os eleitores conheçam  os candidatos a vice-prefeitos de nossas capitais e cidades onde haverá segundo turno.

Que as nossas TVs e rádios, como concessões do poder público, cumpram seu dever de nos informar, como cidadãos e, assim,  convoquem também os candidatos a vice-prefeitos  para debaterem as propostas de governo que, junto com os prefeitos, levarão a cabo nos próximos anos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.