O verdadeiro Dia Livre de Impostos

O verdadeiro Dia Livre de Impostos

REDAÇÃO

02 de junho de 2022 | 10h25

Albanir Ramos, Auditor Fiscal da Receita Estadual do Ceará – AFRE

Sérgio Sisnando, Diretor de Desenvolvimento Técnico-Profissional da Auditece

Juracy Soares, Auditor Fiscal e Diretor Executivo da Associação dos Auditores Fiscais da Receita Estadual do Ceará – Auditece

Todos os anos assistimos a uma campanha que mais confunde que explica. O famigerado “Dia Livre de Impostos” é uma ação promovida pelas Câmaras de Dirigentes Lojistas Jovem (CDL Jovem) de todo Brasil. O movimento disponibiliza um manifesto online contra a “tributação abusiva, falta de retorno adequado dos impostos e burocracia excessiva que limita o poder de consumo da população e freia o crescimento econômico do país.”

Mas o que seria, de verdade, um dia sem impostos? Seria um dia sem hospitais, sem o SAMU, sem Escolas e Universidades, sem Policiais, sem estradas, pontes, metrôs…

Até para propagandear tal ideia, o movimento deixa de realizar o básico: propor, sugerir, construir. No site do movimento (https://dialivredeimpostos.com.br/) não há relato de uma única ação concreta no sentido de propor projetos de lei ou de emendas constitucionais para uma reforma tributária ampla e solidária, que cobre impostos dos mais ricos ao invés de sobretaxar os miseráveis do país. O que se vê no site do DLI é somente uma ‘lojinha online’ oferecendo vários itens supostamente a preços ‘desonerados’ de tributos.

Esses ‘jovens empresários’ jamais experimentaram um verdadeiro dia sem Estado. Até porque habitam o andar de cima do ‘condomínio’ Brasil, pagando as menores ‘taxas condominiais’, enquanto o Estado (síndico) recalibra a cobrança junto aos moradores do ‘subsolo’, os que realmente pagam a conta.

Os ‘jovens empresários’ que alardeiam o Dia Livre de Impostos já vivem, na prática, em um paraíso fiscal chamado Brasil, no qual o Sistema Tributário é leniente com os super ricos, uma vez que não tributa grandes fortunas; heranças; nem lucros e dividendos (principal fonte de renda dos ‘jovens empresários’).

Pois bem… diz o ditado que quem apresenta o problema, elenca pelo menos três opções de soluções. Seria interessante que os promotores do DLI se apresentassem ao Congresso Nacional para apoiar uma Reforma ampla em nosso sistema tributário, que efetivamente adotasse a tão esperada justiça fiscal.

O país precisa de mulheres e homens que se disponham a apoiar propostas reais, efetivas, que libertem nossa economia das amarras de um sistema tributário injusto e regressivo, que contribui para uma concentração ainda maior de renda.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.