O Efeito COVID-19 no Futebol Alemão

O Efeito COVID-19 no Futebol Alemão

REDAÇÃO

29 de junho de 2020 | 16h36

Vinicius Nogueira Ferreira de Souza é estudante de Administração Pública na FGV EAESP em São Paulo e de Sports Management na EU Business School em Barcelona

Eduardo Montez é aluno da dupla titulação de Administração de Empresas na FGV EAESP em São Paulo e Northeastern University em Boston nos EUA

Eduardo de Rezende Francisco é professor de Data Science e GeoAnalytics da FGV EAESP

 

Os efeitos do COVID-19 no cotidiano das pessoas, famílias, empresas e sociedade em geral são amplamente conhecidos, das mais diversas formas e perspectivas, e vêm sendo discutidos profundamente nos mais diferentes fóruns, inclusive por este blog, nos últimos meses. O impacto é mundial e sem precedentes na história recente da humanidade.

Desta vez, caro leitor, vamos abordar a influência dele nos campeonatos de futebol em geral, pelo Brasil e pelo mundo. No momento se discute no Brasil se há realmente condições de se buscar uma reabertura ou se devemos ainda aguardar melhores dias nas curvas de infectados e de óbitos. Desde que os campeonatos de futebol foram paralisados no mundo por conta da pandemia, várias foram as dúvidas que surgiram relacionadas ao impacto que essa paralisação teria quando os jogos fossem retomados.

Em grande parte da Europa ocidental, em que os piores dias do contágio já passaram (mas uma segunda onda sempre se encontra na espreita), as discussões de retorno dos jogos se iniciaram e muitos campeonatos foram retomados.

Sem a presença de público, levanta-se a questão: será que os resultados dos jogos serão mais imprevisíveis? Os times mandantes serão prejudicados, uma vez que o efeito torcida deixou de existir? A quantidade total de gols aumentará?

O campeonato alemão (Bundesliga), foi o primeiro de grande relevância a retomar as atividades. Com protocolos de saúde muito discutidos, a retomada aconteceu sem torcida, e isso deve permanecer por algum tempo até que haja mais segurança e autorização dada pelas autoridades sanitárias e governamentais.

Os resultados do Campeonato Alemão 2019-20 foram comparados entre o ocorrido antes da paralisação e o depois da retomada, que teve sua última partida disputada em 27 de Junho, sábado, com o Bayern de Munique sagrando-se campeão nacional pela 29ª vez (8º título consecutivo). Além disso, foram analisadas as temporadas 2016-17, 2017-18 e 2018-19.

 

Vitórias – CasaVitórias – VisitanteEmpatesTotal
Aglomerado Pré-Covid46%30%24%100%
Pós-covid32%45%23%100%

 

Historicamente, desde o início da temporada 2016-17 até a temporada 2019-20 pré-COVID-19 foram realizados 1142 jogos. Desses, os mandantes venceram 524 (46%), os visitantes 339 (30%) e 279 (24%) acabaram em empate.  E não há muita variação desses números por temporada, conforme apresenta o gráfico anterior. O “fator casa” parece ter influência no resultado final no Campeonato Alemão, dada a diferença de vitória dos mandantes.

Ao analisarmos a distribuição de resultados  Pós COVID-19 (82 jogos disputados durante as 9 rodadas restantes e um jogo adiado do Pré COVID 19), apenas 26 (32%) foram vencidos por mandantes, enquanto os visitantes saíram vitoriosos 37 vezes (45%) e 19 (23%) terminaram em empate. As diferenças são notáveis entre as distribuições, corroboradas ainda por testes estatísticos (valor-P de 0,6% em teste qui-quadrado realizado).

E o número de gols da Bundesliga? Realmente aumentou?

 

 

 

Ao observar a distribuição do número de gols da Bundesliga, percebe-se que antes da paralisação (acumulado Pré COVID-19) os mandantes faziam 56% dos gols na temporada, enquanto os visitantes 44%. No Pós COVID-19, observa-se praticamente uma inversão dessa relação – os visitantes fizeram 54% dos gols e os mandantes 46%. Relação também comprovada estatisticamente (valor-P de 0,1% em teste qui-quadrado).

A temporada 2019-20 consagrou pela oitava vez consecutiva o Bayern de Munique como campeão, evidenciando o desequilíbrio técnico existente entre o time da Bavária e seus adversários. Seu comportamento é diferente dos demais no desempenho em casa e fora de casa; o time pode ser considerado um ponto fora da curva, ou um outlier nesse estudo, para muitas das temporadas analisadas. Mesmo retirando o Bayern das contagens, a diferença de comportamento dos times antes e depois da paralisação é similar.

Analisamos ainda especificamente os três primeiros colocados. O Borussia Dortmund venceu 75% dos jogos em casa antes da paralisação e apenas 40% após a volta. O RB Leipzig venceu 58% dos jogos como mandante antes e nenhuma das 5 partidas em seu estádio após a volta. Esses dois times são, respectivamente, o segundo e o terceiro colocados no campeonato. Por outro lado, Bayern de Munique manteve o esperado historicamente e venceu todas as partidas (em casa e fora de casa) na retomada do campeonato.

O estudo mostra que a paralisação decorrente da pandemia teve impactos significativos no campo. Notou-se uma relevante melhora no desempenho dos visitantes após a volta. Reforça-se a ideia da importância do “fator casa” para o desempenho do clube na temporada. Essa, no entanto, é apenas uma hipótese dentre as diversas outras mudanças advindas da volta do futebol, como a redução dos staffs, adaptação dos treinos e “pré temporada” reduzida, fatores que podem ter influenciados, também, esses resultados.

Resta-nos saber como será o efeito da falta de torcida nos demais campeonatos nacionais na Europa, e se esse comportamento, conhecido a priori, trará algum cuidado especial para os times brasileiros quando por aqui os campeonatos forem de fato retomados. Alguns Estaduais tentam voltar, ainda em meio a polêmicas, mas não temos uma sequência de partidas após a retomada que permita analisarmos.

Independente disso tudo, a torcida realmente faz falta – que o digam os times mandantes no Campeonato Alemão!

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.