Empreendedorismo universitário no combate ao coronavírus

Empreendedorismo universitário no combate ao coronavírus

REDAÇÃO

18 de abril de 2020 | 13h27

Caio Santini, aluno do curso administração de empresas da FGV EAESP, cursando o semestre de intercâmbio na ESADE em Barcelona e membro da Liga de Empreendedorismo FGV

Michael Iwan Kowatschew, aluno da WU Vienna, cursando o semestre de intercâmbio na ESADE em Barcelona, co-fundador da Novid 20 e da Friendzone e multicampeão austríaco de karate.

Alex Apter, membro da Liga de Empreendedorismo da FGV EAESP, ex gerente nacional e internacional do Paris 6, sócio-fundador da HATEVA consultoria, idealizador do ENE Encontro Nacional de Empreendedores, fundador e CEO da WORC

 

Em meio à crise da Covid-19, muitos jovens sentiram a responsabilidade de trabalhar na linha de frente do combate ao vírus, transformando a crise em oportunidades. Mesmo com pouca experiência de mercado, buscaram um papel de protagonismo nessa crise. Dois negócios que estão causando um impacto social positivo são: 1) a Worc, uma plataforma de empregabilidade; e 2) a Novid20, que alerta a seus usuários a presença de pessoas em suas proximidades, que testaram positivo para o vírus.

Alex Apter, aluno da FGV-EAESP, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, fundou a Worc durante o seu primeiro semestre, logo quando ingressou na Liga de Empreendedorismo da faculdade. Agora, com a crise do Covid, a startup está disponibilizando o seu software gratuitamente para todos os hospitais de campanha do país de modo que nesta última semana, realizou  mais de 150 contratações para o Hospital de Campanha Albert Einstein no Pacaembu, um recorde para a empresa. “Sabemos da nossa responsabilidade como empreendedores e, em momentos de dificuldade como este que estamos passando, é quando temos que realmente ajudar a sociedade. Por isso, voluntariamente aderimos à causa para gerar empregos e continuar a fazer a economia girar, além de ajudar a todos hospitais de campanha a otimizarem seus processos de recrutamento e seleção, que necessitam de urgência e eficiência dada a situação que estamos vivendo.”, afirma Alex.

Do outro lado do mundo, Michael Kowatschew, aluno da ESADE em Barcelona, começou seu negócio justamente visando o combate ao Corona. Inconformado com toda a situação, Michael voltou para a Áustria, seu país natal, e no mesmo dia se encontrou com os desenvolvedores da sua startup para tirar a sua ideia do papel. Assim nasceu a Novid20, um aplicativo que rastreia todas as interações do usuário, medindo a intensidade delas e notificando-o caso ele tenha sido exposto ao Covid-19. Ademais, em apenas duas semanas, seu time cresceu para 80 pessoas e firmaram parcerias com a software house austríaca Dolphin Technologies e a Capacity, empresa que cria soluções por meio do blockchain e realiza a criptografia do aplicativo para garantir a segurança dos dados de todos os usuários. No mais, a  startup funciona por meio de um código aberto que pode ser usado gratuitamente por qualquer governo. O aplicativo já está em operação na Geórgia, onde teve mais de 150 mil downloads nas primeiras horas do lançamento, e na Áustria e está procurando abertura em outros países, como no Brasil.

O empreendedorismo sempre esteve à frente das soluções para os maiores problemas da humanidade e os universitários não esperam o futuro chegar, eles estão transformando essa nova realidade e causando a mudança que querem ver no mundo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.