Zona Franca de Manaus – a indústria verde a serviço do Brasil 

Zona Franca de Manaus – a indústria verde a serviço do Brasil 

Alfredo Menezes*

22 de novembro de 2019 | 04h00

Alfredo Menezes. FOTO: DIVULGAÇÃO

Quando falamos em floresta e conservação ambiental as atenções do mundo imediatamente se voltam para Amazônia, essa rica região que está inserida em nove nações, sendo a maior parte da sua área florestal, cerca de 60%, contida no território brasileiro, conhecida por nós como “Amazônia Legal”.

Este vasto cenário abrange uma parte da região Centro-Oeste, outra do Nordeste e o Norte em sua totalidade, onde figura o nosso Amazonas e onde está implantada a Zona Franca de Manaus (ZFM), um modelo pioneiro de desenvolvimento sustentável e preservação ambiental, uma verdadeira indústria verde a serviço do Brasil.

Há 52 anos fazemos parte da evolução industrial do Amazonas e do país. Temos um Polo Industrial formado por aproximadamente 600 empresas que impulsionam a economia, geram mais de 85 mil empregos diretos e indiretos, e principalmente, nos ajudam na missão de manter 96% de área preservada desse patrimônio natural da humanidade, a Floresta Amazônica.

Estudos comprovam, por meio de métodos científicos com avaliação internacional, que as empresas instaladas em nossa capital são empresas que buscam incentivar iniciativas sustentáveis, além de gerar tributos para o Brasil, o que consolida o modelo Zona Franca e garante benefícios não somente para Manaus e o Amazonas, mas para todo o país.

É nosso compromisso enquanto, Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), gestora do modelo, apresentar ao Brasil a importância dessa iniciativa e como ela está inserida no dia a dia da população e como seus produtos melhoram a qualidade de vida do povo brasileiro. Isso nos enche de orgulho e nos incentiva a lutar pela manutenção do nosso modelo econômico.

E foi neste contexto que nasceu a I Feira de Sustentabilidade do Polo Industrial de Manaus (fesPIM), idealizada pelo Instituto de Inteligência Socioambiental Estratégica da Amazônia (Instituto Piatam), em parceria com a nossa Superintendência, um projeto que vai aliar sustentabilidade, tecnologia, preservação ambiental e mostrar a relevância do PIM para o restante do país.

Nossa meta é estimular cada vez mais a economia nacional a partir do uso de recursos naturais de maneira correta, com ações relacionadas ao bem-estar social, por meio de novas alternativas de consumo. A Feira é ainda, uma oportunidade de reafirmar o potencial sustentável do Polo, enfatizando seus impactos positivos para a preservação da floresta, mostrar que o nosso modelo econômico, na verdade, é uma grande política de desenvolvimento do Amazonas e consequentemente do Brasil.

Queremos constituir uma visão diferente de futuro do nosso PIM e do potencial sustentável que possuímos. Uma visão integrada com a nação, onde todos percebam que muito além da indústria existe um legado imensurável, uma herança natural que ultrapassa fronteiras e que precisa da união de todos os agentes da cadeia de desenvolvimento para se manter viva e de pé.

*Alfredo Menezes, superintendente da Suframa

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.