Procuradoria denuncia Mantega por corrupção na Zelotes

Procuradoria denuncia Mantega por corrupção na Zelotes

Acusação formal refere-se ao processo da empresa Cimento Penha; ex-ministro e outros 13 denunciados devem responder por corrupção, advocacia administrativa tributária e lavagem de dinheiro

Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

08 Novembro 2017 | 18h30

Guido Mantega. Foto: Evaristo Sá/AFP

O Ministério Público Federal no Distrito Federal informou nesta quarta-feira, 8, que denunciou o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (Governo Dilma), o ex-presidente do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), o ‘Tribunal da Receita’, Otacílio Cartaxo e outros 12 investigados na Operação Zelotes. Os denunciados vão responder pelos crimes de corrupção, advocacia administrativa tributária e lavagem de dinheiro.

As informações foram divulgadas pela Procuradoria da República, no Distrito Federal.

NO BLOG AGORA: + Fernando Segóvia diretor da PF

PF investiga dossiês de Sérgio Cabral contra Lava Jato e juiz que o condenou

Delator da Marcapasso relata ‘ajuda’ do pai do governador do TO junto à Saúde

Juiz titular diz que é dele processo ímpar da JBS em SP

Governo da Paraíba quer barrar sequestro de R$ 33,9 mi dos precatórios

A denúncia refere-se ao julgamento do Processo Administrativo Fiscal nº 19515.001226/2004-98, no qual se discutia a licitude de autuação tributária imposta ao Grupo Comercial de Cimento Penha, no valor de R$ 57.711.663,111. As investigações apontaram que houve manipulação da composição e funcionamento do Conselho Superior de Recursos Fiscais, órgão do Carf, para favorecimento indevido ao grupo comercial e auferimento de vantagens ilícitas dos denunciados.

Segundo a Procuradoria, a Receita havia autuado a empresa Cimentos Penha, do empresário Victor Sandri, por remeter US$ 46.500.000,00 a instituições financeiras sediadas nos paraísos fiscais das Bahamas e do Uruguai, por meio da utilização de contas bancárias vinculadas a brasileiros que nunca residiram nesses países, chamadas de contas CC5. Por não conseguir comprovar a origem dos valores, o Fisco constituiu crédito tributário no valor de R$ 57.711.663,11.

Mesmo assim, a empresa recorreu ao CARF em 2007. Na primeira instância, conhecida como Câmara Baixa, foi negado provimento ao recurso em 2008. Houve entendimento de cinco conselheiros de que havia legalidade na autuação fiscal. A partir dessa decisão, houve uma articulação criminosa para assegurar êxito da empresa Cimento Penha nas instâncias superiores, comandada pelo conselheiro José Ricardo da Silva.

Em recurso apresentado à Câmara Superior, em 2010, já com escritório de advocacia representante dos interesses do grupo criminoso, foi utilizado como justificativa um acórdão que tratava de circunstância diversa. O recurso era manifestamente inepto, mas foi admitido pelo então presidente da 1ª Câmara da 1ª Seção do CARF, Francisco de Sales Ribeiro de Queiroz.

O êxito da organização criminosa dependia da indicação de nomes para posições estratégicas no CARF. As nomeações de Francisco Sales e Jorge Celso, por exemplo, estão nesse contexto. Segundo a denúncia, o então presidente do CARF, Otacílio Cartaxo, e Guido Mantega patrocinaram direta e indiretamente, interesse privado perante a administração fazendária, ao respaldarem os nomes indicados pela organização criminosa. A denúncia traz como provas intensa troca de e-mails entre os integrantes do esquema com linguagem cifrada sobre a indicação dos nomes para ocuparem os cargos estratégicos do Conselho.

Ainda, houve manipulação na distribuição de processo, feito manualmente à época pela presidência, sem qualquer controle de auditoria. O fato foi descrito por Paulo Cortez em colaboração premiada.

O processo administrativo fiscal tramitou em todas as instâncias do CARF e o referido crédito foi exonerado no julgamento do recurso especial no Conselho Superior de Recursos Fiscais. Conforme a denúncia, todos os acertos feitos entre o conselheiro José Ricardo e o empresário Victor Sandri, dono da empresa Cimento Penha, foram concretizados.

Lavagem de dinheiro – A denúncia narra ainda o pagamento de vantagens indevidas após a exoneração de crédito tributário da Cimento Penha. As provas apontam para a utilização da empresa Gran Tornese, que tem como sócio Victor Sandri, para dissimular repasses de valores para o escritório Limoeiro e Padovan Advogados que, por indicado de José Ricardo, representou a Cimento Penha no desfecho do processo administrativo fiscal no CARF. Registros de movimentação bancária de José Ricardo revelam depósitos não identificados em seu nome que em conjunto somam R$ 15 mil.

O conselheiro Francisco Sales também deve responder por lavagem. Após sigilo fiscal quebrado, verificou-se variação patrimonial a descoberto. Valmar Fonseca, que sucedeu Francisco na presidência da 1ª Câmara, cometeu o crime de lavagem de dinheiro, engendrando sofisticado esquema de dissimulação da origem de valores auferidos, em conjunto com seu contador.

As contas bancárias de Jorge Celso, relator do processo administrativo fiscal em favor da Cimento Penha, registraram inúmeros depósitos não identificados, realizados de forma constante. Em 2012, segundo a denúncia, os valores recebidos corresponderam a mais que o dobro do total recebido a título de proventos do cargo de auditor-fiscal da Receita.

Relação dos denunciados:

– Vitor Garcia Sandri

– Guido Mantega

– José Ricardo da Silva

– Valmar Fonseca de Menezes

– Albert Rabêlo Limoeiro

– Bruno dos Satos Padovan

– Dorival Padovan

– Paulo Roberto Cortez

– Mary Elbe Queiroz

– Agenaldo Roberto Sales

– Jorge Celso Freire da Silva

– Anetilia Freire da Silva

– Ivanea Felix Carvalho Freire

– Otacilio Dantas Cartaxo

A reportagem está tentando contato com os denunciados. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO RODRIGO MUDROVITSCH, QUE DEFENDE OTACÍLIO CARTAXO 

A defesa de Otacílio Cartaxo manifesta repúdio à inclusão de seu cliente, pelo Ministério Público, no rol de denunciados de ação penal sobre irregularidades em processo fiscal do CARF, supostamente cometidas pelo Grupo Comercial Cimento Penha.

Ressalte-se a clara abusividade da acusação, considerando que a própria Polícia Federal apontou a inexistência de quaisquer vínculos de Otacílio Cartaxo com os pretensos ilícitos investigados durante anos pela corporação, incluindo buscas e apreensões, quebras de sigilos de telemáticos e bancários, e perícias.

A defesa se declara perplexa não apenas pela desconsideração do resultado da investigação policial, mas também porque o Ministério Público busca imputar crimes que já se encontram, inclusive, prescritos.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE GUIDO MANTEGA

A reportagem tentou contato com a defesa.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO TICIANO FIGUEIREDO, QUE DEFENDE VICTOR SANDRI

O advogado Ticiano Figueiredo informou que vai se pronunciar após ter acesso à denúncia.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO MARLUS ARNS, QUE DEFENDE JOSÉ RICARDO DA SILVA

“A defesa ainda não foi citada quanto a mencionada decisão e se manifestará nos autos quando intimada”

COM A PALAVRA, A ADVOGADA MARY ELBE QUEIROZ

“A advogada Mary Elbe Queiroz recebeu com surpresa a informação de que seu nome está entre os de denunciados em investigação federal, já que não conhece nem jamais manteve relação com os nomes envolvidos, nem sequer prestou qualquer serviço à empresa citada na denúncia. A menção ao seu nome trata-se de um equívoco que será corrigido pela Justiça”

Mais conteúdo sobre:

Guido MantegaOperação Zelotes