Youtuber condenado por ‘zuar’ idosos com vassouradas no teto

Youtuber condenado por ‘zuar’ idosos com vassouradas no teto

Segundo denúncia da Promotoria em Londrina (PR), homem de 23 anos agiu por 'vingança', após sofrer reclamações dos vizinhos do andar de cima, inclusive uma anciã de 90 anos

Redação

27 de setembro de 2018 | 12h02

Foto: Leo Cinezi/Free Images

Um youtuber de 23 anos foi condenado pela Justiça a um ano e nove meses de detenção e multa por injuriar, importunar e constranger idosos em vídeos publicados em seu canal na internet. Morador de Londrina, o youtuber havia sido denunciado criminalmente pelo Ministério Público do Paraná, por meio da 7.ª Promotoria de Justiça da Comarca, após produzir diversos vídeos em que aparece provocando os vizinhos de cima do apartamento em que mora e usando termos depreciativos para se referir a duas senhoras, de 67 e de 90 anos, e um senhor, de 67.

As informações foram divulgadas pela Promotoria nesta quinta-feira, 27. O nome do youtuber não foi divulgado pelo Ministério Público.

Segundo a acusação, o youtuber provocou os idosos por ‘vingança’, após ser alvo de supostas reclamações. Nas imagens feitas durante a madrugada, o youtuber bate no teto da própria casa com vassouras, panelas e outros objetos e convoca seus ‘seguidores’ a curtirem a página para mais vídeos ‘zuando a vizinha’ (sic).

Na denúncia, a Promotoria afirmou que os idosos ‘foram expostos a situações de risco e vulnerabilidade, ao sofrerem intensa violência psicológica – a qual resultou em desgastes físicos – e verbal, por meio de cartas, bem como tiveram informações depreciativas expostas por intermédio do website YouTube, contínua e indevidamente, sendo estas de caráter injurioso, sofrendo, deste modo, ofensa à sua honra, imagem e dignidade’.

O youtuber foi condenado com base no artigo 105 do Estatuto do Idoso (Lei Federal 10.741/2003). Por se tratar de pena de prisão inferior a cinco anos, o Juízo da Vara de Crimes contra Crianças, Adolescentes e Idosos indicou que a sanção deve ser substituída por duas penas restritivas de direito: limitação de final de semana (deve ficar recolhido em casa) e prestação de serviços comunitários (pelo período de um ano e nove meses).