Wesley na PF

Wesley na PF

Irmão de Joesley e também delator do escândalo da JBS que pegou o presidente Michel Temer vai depor agora à tarde em São Paulo

Marcelo Osakabe, Luiz Vassallo e Julia Affonso

09 Agosto 2017 | 15h10

Wesley Batista. Foto: Werther Santana/Estadão

O empresário Wesley Batista chegou à Polícia Federal em São Paulo para depor no inquérito que investiga a venda de ações nos dias que precederam a divulgação do acordo de delação premiada que o grupo JBS fechou com a Procuradoria-Geral da República. Wesley é acionista da JBS. No período da manhã, durante mais de duas horas, seu irmão, Joesley, depôs à PF.

Os irmãos Batista teriam auferido ganhos extraordinários no mercado de compra e venda de dólares e ações do grupo quando o teor de suas delações estava na iminência de ser conhecido.

Joesley alega que ‘não tinha como saber impacto da delação sobre o preço das ações’

O inquérito foi aberto por solicitação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Os investigadores avaliam que o grupo JBS evitou prejuízo de quase R$ 140 milhões.

As revelações da JBS mergulharam o governo Michel Temer em sua pior crise política. Com base nas delações dos executivos do grupo, o procurador-geral da República Rodrigo Janot denunciou criminalmente o presidente por corrupção passiva. A denúncia foi barrada na Câmara.

OUTRAS DO BLOG: + Rodrigo Maia ‘pula’ preso da Lava Jato e chama terceiro suplente à Câmara

PF deflagra Operação Gotham City para prender empresários do setor de construção

Em seu depoimento, Joesley disse que ‘não tinha como saber’ a data da divulgação do acordo de delação premiada que fechou com a Procuradoria.

“Eu não tinha como saber a data da divulgação nem a extensão do impacto sobre o preço das ações”, afirmou Joesley.

O empresário garantiu ‘regularidade’ das operações de venda de ações.

Mais conteúdo sobre:

Wesley BatistaJBS