Voto de Barroso deixa em aberto o que ocorreria com espaço de Lula no horário eleitoral

Voto de Barroso deixa em aberto o que ocorreria com espaço de Lula no horário eleitoral

Ministro votou pela rejeição do registro do ex-presidente

Rafael Moraes Moura / BRASÍLIA

31 Agosto 2018 | 21h21

Ministro Luís Roberto Barroso. FOTO DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

O voto do ministro Luís Roberto Barroso, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pela rejeição do registro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o veto ao programa eleitoral do petista (até uma eventual substituição na cabeça da chapa) deixa pelo menos uma questão em aberto.

Caso a maioria dos ministros do TSE decida acompanhar a posição de Barroso no julgamento, o que ocorrerá na prática com o espaço dedicado à campanha presidencial do PT no rádio e na televisão enquanto Lula não for substituído?

A tela ficará azul? O tempo originalmente dedicado à campanha de Lula será redistribuído entre os outros 12 candidatos ao Palácio do Planalto?

O voto de Barroso não tratou especificamente dessas implicações práticas, que ainda precisariam de um esclarecimento do TSE durante o julgamento do registro de Lula, que deve avançar noite e talvez até madrugada adentro.

O objetivo principal da ofensiva jurídica de Lula no TSE era garantir sua aparição no horário eleitoral gratuito. Um revés a essa altura do campeonato pode precipitar os planos do PT de colocar o ex-ministro da Educação Fernando Haddad na condição de cabeça de chapa.