‘Você está louco?’, disse Lobão a Eduardo Cunha, segundo delator

‘Você está louco?’, disse Lobão a Eduardo Cunha, segundo delator

Julio Camargo relatou à Justiça Federal que, em 2011, encontrou-se no aeroporto Santos Dumont com o então ministro das Minas e Energia (Governo Dilma) para se queixar de suposta pressão do atual presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que estaria cobrando propina atrasada de US$ 5 mi

Redação

16 de julho de 2015 | 18h15

Edison Lobão, à esquerda, e Eduardo Cunha. Fotos: Estadão

Edison Lobão, à esquerda, e Eduardo Cunha. Fotos: Estadão

Atualizada às 20h51

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso, Fausto Macedo e Valmar Hupsel Filho

O lobista Júlio Camargo, um dos delatores da Operação Lava Jato, afirmou à Justiça Federal nesta quinta-feira, 16, que o senador Edison Lobão (PMDB-MA), então ministro das Minas e Energia, em 2011, ligou na sua frente para o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Eduardo, você está louco?”. O telefonema, segundo o delator, teria ocorrido no final da tarde de um domingo na base aérea do aeroporto Santos Dumont, no Rio.

Na ocasião, o delator, segundo seu próprio relato, estava sendo pressionado pelo peemedebista, que queria receber propinas de US$ 5 milhões relativas a um contrato de navios-sonda da Petrobrás. Julio Camargo diz que representava a empresa Mitsui, contratada pela estatal.

Cunha disse que era merecedor de US$ 5 milhões, afirma delator

Lobista conta como pagou US$ 10 mi em propina, sob pressão de Cunha

No encontro no aeroporto, Julio Camargo exibiu a Lobão cópia de um requerimento de informações que teria sido articulado por Eduardo Cunha. O documento original havia sido encaminhado ao Ministério das Minas e Energia, com indagações sobre os contratos da estatal com a Mitsui.

Segundo o lobista, o requerimento teria como objetivo pressionar a empresa, porque ele não estaria pagando uma parcela da propina que havia combinado. O deputado seria um dos “destinatários finais” de propina paga nos contratos de navios-sonda da Petrobrás investigados pela Operação Lava Jato.

“Em agosto de 2011, um representante da Mitsui no Rio de Janeiro me procurou no meu escritório, bastante assustado, com o requerimento assinado pela deputada Solange (Almeida – PMDB-RJ). Nesse requerimento encaminhado ao ministro de Minas e Energia, ministro Lobão, ela pedia, então, que todos os processos da Mitsui, sejam com a Petrobrás diretamente ou com qualquer subsidiária da Petrobrás, onde a Mitsui tivesse participação, que fossem remetidos ao Ministério de Minas e Energia para uma avaliação e eventual remessa dessa documentação ao TCU. Dizia também, se eu não estou enganado, pedia uma avaliação sobre a minha performance dentro desses contratos”, afirmou.

Júlio Camargo diz que procurou o então diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, a quem pediu que fizesse contato com o ministro Lobão. Segundo o delator, Costa lhe disse. “Júlio, você está com sorte, o ministro Lobão está no Rio de Janeiro. Um minutinho só que eu vou ligar para ele.”  

Após falar com o ministro por telefone, Costa orientou Júlio Camargo a encontrar Lobão na base aérea Santos Dumont, por volta das ‘18h, 18h30’. “Eu converso com ele”, teria dito o ministro para o então diretor da estatal.

No aeroporto, segundo relato do lobista à Justiça Federal, ocorreu a seguinte conversa. “Eu disse a ele: ‘ministro, está acontecendo um fato desagradável. Existe um requerimento disso, uma empresa que  eu represento, que eu acho que só traz benefícios para o País, tem trazido dinheiro japonês barato, tem sido um constante financiador das obras da Petrobrás e recebo um requerimento’. Mostrei para ele (Lobão) a cópia. A reação dele imediata foi a seguinte: ‘Isto é coisa do Eduardo’. Pegou o celular e ligou para o deputado Eduardo Cunha na minha frente. E disse: ‘Eduardo, estou aqui com o Júlio Camargo, você está louco?’ Não sei qual foi a resposta do deputado. Mas ele disse (a Cunha): ‘você me procure amanhã cedo no meu gabinete em Brasília, que eu quero conversar com você’. Ele desligou o telefone e disse: ‘Júlio, o que te preocupa nesse requerimento? Existem coisas erradas?’. Eu falei: ‘ministro, não tem nada errado’. Ele disse: ‘Se não tem nada errado, não há o que se preocupar. O que eu posso fazer é pedir para acelerar a verificação desse processo para que isso termine o mais rápido possível’. ‘Eu agradeço se o sr. fizer isso, já é uma coisa interessante’.”

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA CASTRO, O KAKAY, DEFENSOR DE LOBÃO

O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, defensor do senador Edison Lobão (PMDB-MA), afirmou que seu cliente não vai comentar o conteúdo de delações. “Está acontecendo algo muito grave no Brasil. Há uma indústria das delações, onde os delatores dizem uma coisa e no outro dia dizem outra”, protesta.

Kakay disse ainda que a defesa tentará anular na Justiça as delações e processar os responsáveis por informações inverídicas. Segundo ele, o mesmo procedimento será tomado por todos os seus clientes investigados pela Operação Lava Jato.

“A Polícia Federal fez uma busca e apreensão na casa do senador Ciro Nogueira por causa do relato de um delator sobre uma suposta relação dele com um advogado que ele nem conhece”, disse. Segundo Kakay, o Ministério Público tem que “ter honradez de investigar as delações” porque “tem muito advogado vendendo proteção e ganhando dinheiro com elas”, disse. “Os ministros do Supremo estão sendo induzidos ao erro”, completou.

COM A PALAVRA, O DEPUTADO EDUARDO CUNHA

NOTA À IMPRENSA

Com relação à suposta nova versão atribuída ao delator Júlio Camargo, tenho a esclarecer o que se segue:

1- O delator já fez vários depoimentos, onde não havia confirmado qualquer fato referente a mim, sendo certo ao menos quatro depoimentos.

2- Após ameaças publicadas em órgãos da imprensa, atribuídas ao Procurados Geral da República, de anular a sua delação caso não mudasse a versão sobre mim, meus advogados protocolaram petição no STF alertando sobre isso.

3- Desminto com veemência as mentiras do delator e o desafio a prová-las.

4- É muito estranho, às vésperas da eleição do Procurador Geral da República e às vésperas de pronunciamento meu em rede nacional, que as ameaças ao delator tenham conseguido o efeito desejado pelo Procurador Geral da República, ou seja, obrigar o delator a mentir.

Deputado Eduardo Cunha

Presidente da Câmara dos Deputados

COM A PALAVRA, A MITSUI&CO

A Mitsui & Co. gostaria de reforçar que o sr. Júlio Camargo nunca foi representante ou consultor em nenhum dos projetos da empresa. Em 2011, respondendo a um requerimento apresentado à Comissão de Inspeção e Controle da Câmara dos Deputados, o Tribunal de Contas da União (TCU) não identificou nenhuma irregularidade relacionada aos contratos da Mitsui & Co. com a Petrobrás.

COM A PALAVRA, A PGR

A Procuradoria-Geral da República esclarece que o depoimento prestado na presente data por Júlio Camargo à Justiça Federal do Paraná não tem qualquer relação com as investigações (inquéritos) em trâmite no âmbito do Supremo Tribunal Federal. A audiência referente à ação penal da primeira instância – que tem réu preso, ou seja, tem prioridade de julgamento – foi marcada pelo juiz federal Sergio Moro há semanas (em 19 de junho), a pedido da defesa de Fernando Soares, e a PGR não tem qualquer ingerência sobre a pauta de audiências do Poder Judiciário, tampouco sobre o teor dos depoimentos prestados perante o juiz.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.