Viva 2020

Viva 2020

João Rogério Alves Filho*

27 de dezembro de 2020 | 05h00

João Rogério Alves Filho. FOTO: DIVULGAÇÃO

A noite de 31 de dezembro de 2019 ficará para sempre em minha memória como a maior malhação coletiva que já testemunhei. Renegamos 2019 ao extremo. Maldissemos o coitado a não mais poder. E veio 2020…

Poderia me concentrar nessas mal traçadas em quanto foi difícil chegarmos até aqui. Muitos, quase 200 mil, não verão a passagem desse ano em decorrência dessa inimaginável peste que nos assolou. Outras dezenas de milhões entrarão no novo ciclo aterrorizados com o desemprego, com o desamparo, com a bancarrota, com a vida.

Mas coube ao destino determinar que, para nós todos que aqui ainda estamos, há vida sim! Cada qual com sua dificuldade e sua dor. Cada qual com seu próprio desafio. E assim sendo, acredito que a primeira grande lição que podemos tomar desse ano é a de que estarmos alertas a mudanças drásticas de cenário e consequente capacidade de adaptação ou reação, são requisitos de sobrevivência a partir de agora.

Avaliando tudo o que vivemos neste ano, sinto claramente que 2020 jamais poderá ser encerrado. Não podemos nos dar ao luxo de o esquecermos. Esse foi o ano em que testemunhamos as mais brilhantes reinvenções de pessoas e empresas. Esse foi o ano em que fomos chamados a agir de maneira firme, por nós e por todos que nos cercam em maior ou menor proximidade. Esse foi o ano em que entendemos definitivamente que temos que ser mais consequentes em nossas escolhas, todas elas, em todos os sentidos.

E que venha 2021, seja bem-vindo, enfrentaremos mais esse desafio com garra, planejamento e determinação. Com um olhar mais atento a quem nos cerca: família, comunidade, colaboradores, clientes e fornecedores. Somos definitivamente uma corrente e, como tal, já aprendemos que a pressão que suportamos é dada pelo quanto o mais fraco de nossos elos é capaz de resistir.

Ontem recebemos a informação de que embora tenhamos crescido timidamente em nosso IDH, perdendo mesmo assim 5 posições no ranking, somos o país com a 8ª pior distribuição de renda do planeta, conforme apuração para o ano de 2019. O desafio que nos é apresentado para o início do ano é enorme mas não podemos, como nação, deixar de superá-lo.

Planejamento, ação, revisão, novas ações. Esse ciclo interminável, como é o ciclo da vida, há que definitivamente ser aplicado a nosso dia-a-dia, em qualquer universo em que estejamos inseridos. Lembremos sempre que as mudanças só acontecerão a partir de nossas empresas, de nossos condomínios, de nossas ruas, de nossos quarteirões; somos cada um o agente da mudança que queremos.

Viva 2020. Que venha 2021.

*João Rogério Alves Filho é economista e sócio-diretor da PPK Consultoria

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.