Vitórias, derrotas e civilidade democrática

Vitórias, derrotas e civilidade democrática

Rodrigo Augusto Prando*

01 de dezembro de 2020 | 14h00

Rodrigo Augusto Prando. FOTO: DIVULGAÇÃO

Findada a eleição municipal os sentimentos são muitos e as análises também não são poucas. Analiticamente, há estudos indicando o mapa eleitoral de 2020, trazendo à tona a quantidade de prefeituras que os partidos ganharam ou perderam, votos por zonas eleitorais no segundo turno; e, até, do impacto dos resultados para a eleição de 2022.

Independentemente do resultado – vitória ou derrota – o fim da apuração traz alívio. A tensão prevalece durante toda a campanha. Candidatos, equipe e militância estão numa dinâmica de ação quase que ininterrupta, nas ruas ou nas redes. Confesso que, de minha parte, tinha a crença que a pandemia fosse assustar mais do que assustou os políticos e a militância. Ou seja: aglomerações, abraços e selfies, por exemplo, abundaram e, com isso, riscos de contaminação foram potencializados. De qualquer forma, uma campanha no bojo de um cenário pandêmico traz estresse adicional para todos e terminar a campanha vivo e saudável já alivia. Alegria e tristeza estão, obviamente, ligados à vitória e à derrota. Há muito, li que na política a vitória tem muitos pais, mas a derrota é órfã. No domingo, mesmo aliviados, candidatos eleitos estavam alegres, eufóricos até; e os derrotados, entristecidos, ensimesmados, resignados. E há o grupo de derrotados, candidatos e militância, que tem ódio do resultado e raiva do eleitor e da democracia. Para muitos, a democracia é boa quando ganha meu candidato e, por isso, o eleitor sabe votar; mas, contudo, se vence o adversário, a democracia não merece esse respeito e o eleitor é um estulto. Candidatos sabem que, ao fim e ao cabo, há duas possibilidades: eleito ou não eleito, mas preparar o espírito para ambas não é tão simples.

Há um aspecto, na eleição de São Paulo, com Bruno Covas (PSDB) X Guilherme Boulos (PSOL) que merece atenção e o devido destaque. Covas foi vitorioso e, como dito, faz parte do “jogo”. Boulos segue os protocolos indicados para quem está contaminado pelo coronavírus, como é seu caso. Não participou do último debate, nem esteve nas ruas e tampouco votou no domingo. Mas, à despeito do quadro de saúde de Boulos, há que se atentar para a saúde da própria democracia. Covas e Boulos fizeram, no primeiro e no segundo turno, uma campanha limpa, sem fake news, sem teorias da conspiração, sem ódio e sem transformar o adversário em inimigo. Inimigo, na lógica bélica, deve ser eliminado e, na lógica política e democrática, o adversário deve ser respeitado, já que o adversário, hoje, pode ser um potencial aliado amanhã. Na democracia, o embate de ideias, ideologias, projetos pode até ser ríspido, duro muitas vezes, mas deve ser leal, sem recurso à mentira e ao ódio que corrói os alicerces da democracia. Numa ocasião, aliado de Covas proferiu dizeres deselegantes em relação a Boulos; ato contínuo, Covas ligou para o psolista para se desculpar. Segundo relato, numa entrevista, jornalista escutou Boulos falando para Bruno que ele, Bruno, sabia que ele, Boulos, não era radical; Covas respondeu que Boulos também sabia que ele, Covas, não era bolsonarista ou fascista. Às vezes, na campanha, no calor da militância, o tom sobe, mas ainda assim, o respeito e a discussão de propostas prevaleceram.

Política é simbólica. E o discurso de políticos e suas ações são capazes de sinalizar para sua militância e para todo o conjunto da sociedade. E, por conta disso, as atitudes de Covas e Boulos, em que pesem visões políticas muitas vezes diametralmente opostas, sinalizaram para a civilidade democrática. E isso está, há tempos, em falta. Ganhou a democracia, ganhamos todos nós.

*Rodrigo Augusto Prando, professor e pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia, pela Unesp

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoEleições 2020

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.