Violência obstétrica

Violência obstétrica

No Sessão Aberta, podcast do Ministério Público Federal em São Paulo, a procuradora da República Ana Carolina Previtalli Nascimento aborda por que isso ainda acontece no Brasil, qual a importância da informação para que as mulheres possam exigir respeito à sua vontade e aos seus direitos e o que o MPF vem fazendo no combate a esse tipo de violência

Redação

10 de março de 2020 | 16h39

A violação dos direitos da mulher na hora do parto é o tema da nova edição do Sessão Aberta – o podcast do MPF em São Paulo, no relato da procuradora da República Ana Carolina Previtalli Nascimento. Xingamentos, negligência, cesarianas desnecessárias, adoção de procedimentos que colocam em risco a vida da mãe e do bebê. São diversas as práticas que configuram a violência obstétrica, alerta a página da Procuradoria da República em São Paulo, que disponibiliza o Sessão Aberta em diversas plataformas digitais por meio de sua Assessoria de Comunicação.

Por que isso ainda acontece no Brasil?

Qual a importância da informação para que as mulheres possam exigir respeito à sua vontade e aos seus direitos?

O que o Ministério Público Federal vem fazendo no combate a esse tipo de violência?

Quem fala sobre esses assuntos é a procuradora da República Ana Carolina Previtalli Nascimento. Ela atua no MPF em São Paulo e é responsável por medidas judiciais e extrajudiciais que vêm forçando médicos e maternidades a mudarem de postura nos últimos anos.

Sessão Aberta está disponível em diversas plataformas digitais. Escolha a sua preferida:

Spotify | Deezer | iTunes | Castbox | Stitcher

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.